Hotel Conde de Lemos

img_1135

Quando o táxi nos deixou na porta do Hotel Conde de Lemos, resolvi zerar tudo o que tinha visto de Puno até então – nada de rodoviária, nada de ruazinhas feiosas… A idéia era começar do iní­cio e não pré-julgar a cidade que eu nem mesmo tinha tido a chance de experimentar. Na verdade, estava mesmo ansiosa (e um pouco receosa também) para saber a impressão que o hotel me causaria. Como eu tinha reservado todos os hotéis no Peru pelo mesmo site, o Go2Peru, e todos com descontos espetaculares, estava começando a me dar aquele friozinho na barriga, que traduzido quer dizer “será que fiz bobagem?!?” 🙄

O primeiro ponto alto do hotel foi o que tinha me levado a fazer a reserva – a localização praticamente perfeita. Situado a apenas uma quadra da Plaza de Armas (o centro de toda cidade de colonização espanhola), em frente a uma pracinha bem tranqüila e ao lado de uma escola (essa refletida na fachada do hotel), nós estávamos pertí­ssimo de tudo sem estar no meio da muvuca – e do barulho, claro…

Por outro lado, o hotel em si não era nada espetacular… O saguão era bastante convencional, a decoração até meio “pesadona”… Não que estivéssemos esperando alguma maravilha do design contemporâneo, pelo preço que estávamos pagando – US$ 35.00 o quarto duplo, contra uma tarifa-balcão de US$ 56.00. O café da manhã também era simples para os nossos padrões. De qualquer forma, tudo isso foi compensado pelo atendimento mais do que atencioso. Os funcionários do hotel foram super agradáveis, cuidaram de todos os detalhes do passeio que queríamos fazer às Islas Flotantes de los Uros, do nosso transporte até o aeroporto de Juliaca dois dias depois… Enfim, simpáticos e competentes!

img_1139

Ainda na recepção, avistamos o cantinho do chá – faz parte da arte de bem receber os hóspedes, tanto na Bolí­via quanto no Peru, oferecer um matecito de coca logo na chegada, para afastar qualquer ameaça de soroche. A essa altura, já estávamos mais do que aclimatadas – como chegamos por La Paz e rumamos em seguida para Copacabana, nossos destinos no Peru seriam sempre em altitude mais baixa do que já tí­nhamos enfrentado. De qualquer modo, o cantinho na recepção do hotel oferecia conforto para todos os males – chazinhos contra o soroche e um abrigo seguro em caso de terremoto… 😛

img_1140

Subimos então para o nosso quarto e – que bom! – ele era bem espaçoso e até bonitinho… 😉 Além disso, recebia sol o dia inteiro e ficava aquecido o suficiente para que passássemos bem as noites sem a menor necessidade de calefação, um verdadeiro privilégio…

img_1113

A nossa vista também era privilegiada: uma pracinha bastante bucólica atrás da Plaza de Armas:

img_1126

Primeira impressão do hotel? Aprovadí­ssimo! Agora era só fazer um primeiro reconhecimento da cidade para ver o que Puno nos reservava… 😉

12 thoughts on “Hotel Conde de Lemos

  1. Carla, a minha primeira impressão de Puno também foi um susto…mas o lago compensa tudo!
    Bem, vamos esperar as cenas dos próximos capítulos 😉

  2. 😆 Emília, eu estava só esperando pra te perguntar se você também tinha achado Puno meio esquisitinha à primeira vista… 😉

  3. Puxa, demais Carlota!!! Eu já paguei mucho más que isso por hoteis horrendos. Esse é bem bonitinho e o quarto parece super caprichadinho…

    Bjão

  4. Eu também, Dioguito, já paguei caro à beça por cada muquifo… 😛 É por isso que digo que a América do Sul é um bom lugar pra brasileiro brincar de milionário…

  5. 35 dólares é uma pechincha. Eu acho os pacotes das agências de ecoturismo tão caros para o Peru e Bolí­via… Aqui a gente vê como eles dependem de dezenas de atravessadores. Dá pra fazer uma viagem muito barata.

  6. É verdade, os pacotes são caríssimos mesmo! Por conta própria, consegui planejar 2 semanas de viagem (incluindo a Bolívia) ao mesmo custo que um pacote de 6 noites (apenas para Lima, Cuzco e Machu Picchu)… 😀

  7. Obrigada pelas dicas. Como tencionava ficar nos mesmos hotéis dei com o seu site. Este Conde de Lemos em Puno foi o último a ser escolhido e lendo a sua linda escrita (que até parece portugues de Portugal) fico com a impressão de ser uma boa opção. Espero porém ter mais sorte e ficar no Rosário em La Paz, senão o Columbus porque como indica parece-me óptimo e perto do centro. Obrigada também por mencionar o melhor restaurante de La Paz… Continuarei a ler o seu site. (Sydney-Austrália)

  8. Valdemar, se você chegar ao Conde de Lemos não esperando mais do que eu descrevi no post, com certeza vai gostar! É mesmo um hotel simples, mas acolhedor e muitíssimo bem localizado.

    Ah, e boa sorte com o Rosario de La Paz!!! Estou fazendo tanta propaganda que conto com umas diáriazinhas grátis por lá quando eu puder voltar… 😀

  9. Oi Carla,

    Gostamos bastante de te ler, no Blog, principalmente pq estamos querendo ir a Puno…
    Acontece que estamos morando em Lima, no Peru… e claro, é muito bom saber de uma pessoa tao organizada como vc, que já fez essa viagem… e melhor… brasileira!!!!
    Estamos optando em ficar no Conde de Lemos… meu esposo tem problemas de coluna e adorei vc , cuidadosamente, falando para quem os tem…
    grande abraco
    Mana

  10. Mana, quem tem problemas de coluna sabe o que se sofre… 😉 Mas, olha, diga ao seu marido que, sem exagerar e fazendo os passeios com cuidado, não há motivo pra preocupação! Aproveitem bastante!!!

  11. Pingback: Dicas do Peru – Balanço geral: Hospedagem » Idas e Vindas

  12. Pingback: Dicas do Peru – Balanço geral: Hospedagem | Idas e Vindas - Crônicas de Viagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *