Buenos Aires – novas e antigas impressões

Pois é, eu vou interromper a novelinha peruana mais uma vez, agora porque não gostaria de perder o calor do momento para fazer certos comentários a respeito da semaninha que passei em Buenos Aires, de 19 a 26 de julho… Mas assim que eu terminar esses postzinhos, que serão curtos e poucos, volto com a parte final da novelinha, sobre os dias que passei em Lima.

Quanto a Buenos Aires, sempre que volto à cidade me pergunto: como é possível que cada vez mais eu deixe mais coisas por fazer? Eu pensava que com uma semana inteira daria conta de fazer muito do que queria, mas já estou achando que nem com um mês inteirinho isso vai ser possível…

De qualquer forma, tirei algumas conclusões básicas nesses dias que passei vibaneando – depois desenvolvo melhor os devaneios (“vibaneios”? 😆 )

1. Alugar um apartamento é mesmo uma ótima pedida – testei e aprovei! Se não for para ficar no Alvear, não quero mais saber de hotel por lá, não… 😀

2. A inflação está comendo solta na Argentina – ainda não pesa no nosso bolso porque o real está forte, mas já vemos os efeitos nos preços dos táxis, dos restaurantes, do cafezinho… 🙁

3. O trânsito está infernal, e piora a cada dia! Coloquei na minha lista de prioridades, quando escolher um apartamento, a proximidade de uma estação de metrô.

4. A Librería El Ateneo Grand Splendid está a cada dia mais deliciosa – que tal uma happy hour com música ao vivo? 😀

5. Quem se hospeda em um apartamento na Recoleta não precisa fazer nem mesmo o café da manhã em casa. Dá pra montar todo um roteiro de cafés da manhã deliciosos sem repetir nem um dia – a não ser que se esbarre com um daqueles absolutamente maravilhosos…

6. Sempre foi e continua sendo possível ser feliz no Café Tortoni – mas tem um modo confortável “de usar”… Depois eu conto! 😉

7. Quem vai ver tango no Bar Sur dificilmente voltará a gostar de qualquer show de tango em outro lugar – nada como um pouquinho de interação e exclusividade para encantar a platéia!

8. San Telmo está a cada dia mais faceiro – há tapumes por todo lado, por conta das restaurações, mas o bairro está explodindo de tanta vitalidade. “San Telmo es el nuevo Palermo”, é o que se diz…

9. O Freddo continua maravilhoso, os Havanna são imbatíveis, a Bonafide segue me dando água na boca, os livros da Yenny estão sempre à minha espera e…

10. … não tem jeito! Por mais que eu tente, eu não consigo mesmo gostar de Palermo!!! Mas estou decidida a ir a pelo menos um restaurante a cada vez… 😳

65 thoughts on “Buenos Aires – novas e antigas impressões

  1. Carla, eu tb não consigo gostar de Palermo! 😳
    Mas como dizem que a unanimidade é uma chatice, fico tranquila! 😆
    Aiii que saudade de BsAs!

  2. Mô, lembrei de você montes!!! Vi cada porta mais maravilhosa do que a outra na vizinhança do apê na Recoleta, e só lembrava das suas fotos!!! 😀

  3. Olá, Carla!! Eu já estava estranhando não ter nem um pequeno comentário a respeito da viagem a Buenos Aires.

    O esquema de alugar um apê é mesmo imbatível! Que bom que você aprovou!

    Eu também fiquei com uma péssima impressão do trânsito!! E achei o metrô muito bom, além de barato, né?

    Na próxima vez em BsAs, quero explorar mais o bairro de San Telmo. Andamos pelo bairro durante uma tarde inteira de domingo e ficamos apaixonados com o local.

    El Ateneo, Freddo, Alfajores… ai, ai, que saudade de Buenos Aires!!

    Um abraço!

    Alexandre

  4. Nossa, Carla… eu sei que a Recoleta é melhor, mas não precisa falar assim do meu bairro, né? :-)))))))))))))))))
    Brincadeira! Mas eu gosto daqui… tem restaurantes muito bons também.
    Mas se eu fosse alugar um apê pra morar aqui agora, conhecendo melhor a cidade, alugaria na Recoleta. Só vim morar aqui porque não conhecia nada ainda… :-)))
    Bjo!

  5. Alexandre, eu não ia deixar Bs.As. passar em branco, não! 😉

    Chris: 😆 😆 😆

    Agora, sério, acho Palermo chatinho pra turistar – porque só vejo lojinhas para todos os lados e, quando escapo delas, só encontro restaurantes – mas talvez se fosse pra morar, a minha impressão fosse outra, porque o foco muda, né? (Sempre imagino que, se eu fosse morar em Bs.As., ia procurar algum lugar pros lados de Belgrano, ou talvez até Nuñez, desde que não ficasse muito longe do metrô… Tenho a impressão de que assim ficaria mais “imersa” na vida da cidade!)

  6. Minhas considerações

    1. Para um casal o Hotel continua sendo a melhor opção. A partir de quatro pessoas o mellhor é alugar AP.
    2. Com a inflação em alta grande parte das compras ficam iviáveis. Pesquise e compare com os preços d Brasil.
    3. O trânsito é intenso. Apesar dos preços ainda em conta dos táxis opte pelo subte.
    4. A Librería El Ateneo Grand Splendid é só mais uma. Existe cafés e prédios muitos bonitos fora do circuito turrístico que valem uma visita.
    5. Se hospedando em apartamentos nunca há necessidade de ir pra cozinha. As opções de cafés e restaurantes em toda a cidade são muitas.
    6. O Café Tortoni está vivendo fama. Péssimo atendimento, comida ruim e preços altos. O melhor é ir, tirar foto e procurar um dos muitos cafés e restaurantes que oferecem comida, atendimento e preços honestos.
    7. Para quem quer show de tango não perca as apresentações dos tangueiros de San Telmo aos Domingos.
    8. San Telmo tem tango, cafés, restaurantes, a feirinha e lojas com opções de comprinhas para você e para presentes.
    9. O Freddo e os Havanna continuam imbatíveis.
    10. Em Palermo os parques são ótimos e pode-se caminhar sem destino nas ruas comerciais do bairro.
    PS.: Quem vai a Buenos Aires não pode deixar de reservar um dia para conhecer Colônia de Sacramento. Pegue o Buquê bem cedo e passe o dia inteiro percorrendo as ruas, museus e praças da cidade fundada pelos portugueses em 1680.

  7. Dorothy, permita-me discordar de você em alguns pontos:

    1. O apartamento é uma ótima opção para todos os que privilegiam boa localização, espaço e bom preço em vez de serviços. Aluguei um apartamento de 60 m2 em um bom ponto da Recoleta a US$ 335 a semana, ou seja, diária de menos de US$ 50. É impossível conseguir hotel a esse preço na Recoleta – ou seja, a opção é válida para todos, e não apenas para grupos;

    2. Quanto às compras, tudo é muito relativo… Minha tia comprou um sobretudo de lã, forrado, lindíssimo, a menos de 180 pesos, ou seja, menos de R$ 120 – algumas compras continuam muito válidas. De qualquer modo, eu continuo achando que ir seja onde for apenas para comprar, comprar, comprar nunca vale a pena.

    3. A Librería El Ateneo Grand Splendid está instalada em um dos prédios históricos mais bonitos e suntuosos de Buenos Aires, e surgiu como uma solução para evitar a destruição de um teatro onde já se apresentou Gardel, para mencionar apenas o nome mais famoso – e nem estou considerando a criatividade de instalar os livros onde ficava a platéia e as pessoas no café onde ficava o palco! É um lugar carregado de história e de fantasia. Não, a Grand Splendid não é “só mais uma”. (Não dá pra comparar com qualquer livraria de shopping, né?) Claro que isso não invalida a visita a vários outros prédios históricos também lindíssimos.

    4. A fama do Café Tortoni não é de agora – o lugar tem 150 anos de história e tradição. Vive lotado, com fila na porta – e nessas horas recomendo passar longe, pois deve ser justamente quando o atendimento é ruim e a comida idem. (Imagino, porque nunca fui mal atendida lá, nem comi nada ruim… ) Por outro lado, não há nada como o Tortoni numa manhã de inverno – o chocolate quente ou o submarino são divinos, e as tostadas, medialunas e facturas em geral são uma delícia… Como eu disse, tem um “modo de usar”…

    5. Quando falei em Palermo, eu não estava considerando a parte mais tradicional do bairro, os Bosques de Palermo – sabidamente o meu recanto preferido de Buenos Aires… 😉

  8. Carla, eu preciso voltar para reconferir o Café Tortoni, também não tive uma boa impressão… Quando fomos lá nem estava muito lotado e os garçons simplesmente nos ignoraram. Esperamos um bom tempo e nada! Então tiramos uma foto e fomos embora! 😆 Mas como imagino que a fama do local deve ser devida, ainda quero dar uma segunda chance.

    Beijos!

  9. Camila, eu gosto de ir pela manhã, de preferência durante a semana. Dessa vez, quando cheguei, por volta das 9:30 h, eu poderia ter escolhido entre umas 15 mesas diferentes… 😉 Fomos atendidas na mesma hora, e muito bem – e ainda tomei um dos melhores cafés da manhã da semana! Mas, como eu gosto de andar na contramão do fluxo, não sei te dizer como seria no fim da tarde / início da noite, quando já começa um certo movimento por causa dos shows de tango…

  10. Carla, vi seu blog hoje pela manhã e achei muito interessante. Em fevereiro estarei indo a Buenos Aires e talvez a Santiago em minha lua de mel. Gostaria de saber sobre passeios em Santiago, pois os que eu consegui ver em outros blogs não consegui achar nada muito interessante. Estou pensando em ir para Montevidéo, mas vi no seu blog que na época do carnaval a cidade fica um pouco parada. Logo em seguida vi também no seu blog Colonia del Sacrameno (acha que se escreve assim) e achei muito interessante a cidade. Qual seria melhor pra você? Qual teria o melhor custo benefício já que poderia ir a colonia de buquebus economizaria um dinheiro pra gastar em BsAs? Desculpe a quantidade excessiva de perguntas é que tenho que decidir isto o mais rápido possível.

    Um abraço, e desde já muito obrigado pelas informações.

  11. Eduardo, tenho algumas dicas sobre o Chile nesse post aqui: http://idasevindas.wordpress.com/dicas-do-chile-do-atacama-aos-lagos-andinos/

    Sobre Montevidéu, o centro da cidade fica mesmo meio vazio, mas os bairros residenciais e a parte turística do Porto ficam ótimos – não lotados, mas movimentados o suficiente.

    Colonia del Sacramento é uma gracinha, uma delícia de cidade, mas bem pequena, e se esgota em 2 ou 3 dias. Acho que ela faz um par excelente com Buenos Aires… 😉

    Dá uma olhadinha no site da Buquebus: http://www.buquebus.com para ver os preços dos bilhetes. De Bs.As. a Colonia há um barco rápido que cruza o Prata em menos de 1 hora.

  12. Carla, você pode colocar aqui o endereço do ap. que você ficou e o contato? Estou querendo fazer a experiência na próxima ida a BsAs.

  13. Carla,

    fomos ao Café Tortoni no meio da tarde e não tivemos nenhum problema. Aguardamos menos de 5 minutos por uma mesa e fomos atendidos rapidamente.

    E em relação a El Ateneo Grand Splendid, nunca vi nada igual na minha vida. É um lugar imperdível para conhecer em BsAs, principalmente para quem gosta de livros!

    Um abraço!

  14. Nossa, nunca fiquei em apartamento em BsAs… ótima dica!! Aliás, vou dar uma “sugada” nas suas dicas e colocar lá no blog da Stella Barros (com o devido crédito, obviamente…) posso??
    Beijos

  15. Carlinha, esse é o melhor lado: tem sempre uma ótima desculpa pra voltar (o que a gente não-po-de-dei-xar-de-ver na próxima vez) 🙂

  16. Rosa, pode deixar que vou fazer um post inteirinho sobre o apê! Ele é maravilhoso e a proprietária é um doce de pessoa. Vou dar todos os créditos e dicas!

    Alexandre, eu também já fui de tarde e fui bem atendida – mas já ouvi tantas histórias de pessoas que não foram que achei que tinha só dado sorte! 😉 Agora já vi que não fui a única…

    Patrícia, com o crédito (e o link daqui) pode, sim! 😀

    Meilin, tenho um milhão de desculpas novas para sempre voltar!!! (A última é que tenho que aprender a dançar tango… 😆 )

  17. Majozinha, nem me diga… Roubei tempo da tese!!! 😆 Aliás, é o que vou ter feito sempre que aparecer post novo por aqui… 😳 E continuo te devendo uma visita comme il fault lá no Filigrana…

  18. Carla, além de tudo, uma convnvenção em Buenos é a melhor das desculpas 😉
    Sobre os seus pontos:
    1. Concordo com você sobre o apê: adoramos o esquema (e o precinho!)
    5. Nós também tomamos café todos os dias fora: achamos que era uma ótima maneira de começar o dia e muito mais saborosa (eu adoro um pão fresquinho e gostei muito da oferta de pãezinhos doces de lá).
    6. Eu acho lindo o Tortoni e gosto do ambiente, mas dessa vez eu só enfrentei a fila para mostrar o lugar para o Marc. Os churros tinham acabado 🙁
    7. O Bar Sur é demais, não? Eu voltaria fácil, fácil numa próxima vez. Me diverti um bocado 😀
    8. Eu sou suspeito, adoro San Telmo e aquele arzinho antigo, meio decadente…demais!
    9. Nem me fale do frutilla con crema do Freddo…e da Yenny, onde meu bolso ficou bem mais leve durante a viagem (no primeiro diz já comprei um Maitena para ficar na minha cabeceira…)
    10. É…Palermo tem seus fãs, mas eu não posso me considerar entre eles. É simpático, bonitinho, mas eu achei um pouco desolador. E como não faço compras…mas comi muito bem por lá, a oferta de bons restaurantes é imbatível.

  19. Emília, eu fui conferir a sua dica do Café del Pilar e acabamos tomando o café da manhã lá 2 dias e ainda fomos lanchar à noite um outro dia. Que lugarzinho gostoso – e ficava bem pertinho de “casa”!

    Eu estou completamente apaixonada pelo Bar Sur – nunca mais vou querer saber de tango em outro lugar… 😀

    E só fui a Palermo um dia pra almoçar no Social Paraíso. Amei o restaurante, mas fica muito fora de mão ficar se deslocando pra Palermo só pra ir a restaurantes, quando não se curte o bairro em si…

  20. Quem quiser conhecer colonia, sem gastar muito, pode ir de avião até Montevideo, depois de lá até Colonia de onibus (cerca de 2 horas com partidas frequentes) e tomar o buque bus. Na volta pode-se ir direto de avião do Aerparque até o aeroporto de Montevideo.

  21. Essa idéia é muito bacana, Ernesto! E é fácil dar conta de Montevidéu e Colonia em poucos dias. A viagem de ônibus entre as duas cidades é bastante tranqüila, os ônibus são confortáveis e a passagem é baratíssima! Ou seja, com uma semana ou pouco mais de férias dá pra fazer uma viagem por 3 cidades, e sem correria! 😉

  22. Bom dia Carla.
    Em Outubro estou indo para El Calafate e Ushuaia. Não resistí e ficarei 3 noites em Buenos Aires. Estive lá no carnaval.
    Ainda não reservei os hotéis, só comprei as passagens.
    A operadora sugere: Reconquista Garden: Buenos Aires
    Hotel El Calafate: Calafate:
    Hotel Lennox: Ushuaia
    Você conhece ou já ouviu algum comentário sobre eles?
    Se fosse possível, você me daria algumas dicas de restaurantes?
    Muito obrigada.

  23. Cecília, sobre El Calafate e Ushuaia eu não posso opinar nada, porque não conheço.

    Especificamente sobre o seu hotel em Buenos Aires, também não, mas posso te dizer que acho a localização dele péssima. Já estive hospedada na mesma região, Corrientes na altura da Esmeralda, e é uma parte do centro que está totalmente decadente. Se possível, eu trocaria por um mais próximo da Plaza San Martin, caso você queira mesmo ficar pelo centro, ou por um na Recoleta.

    Quanto aos restaurantes, faz uma visitinha ao blog dos Destemperados ( http://destemperados.blogspot.com ) que eles têm dicas ótimas sobre restaurantes em Buenos Aires!

  24. Carla.
    Desculpe-me a encheção de saco, mas você teria alguns nomes de hotéis nessas regiões que recomendou que fossem legais e em conta?
    Mais uma vez obrigada.

  25. Cecília, nessa região existem vários hotéis – mas eu apenas me hospedei em 2, que são os que me sinto à vontade para indicar, porque os conheço por experiência própria. São o Lafayette e o Facón Grande, ambos na Reconquista, na região das Galerías Pacífico. O Lafayette é um hotel mais tradicional, 4 estrelas, tem ótimos quartos e um café da manhã delicioso. O Facón Grande é menorzinho, foi todo reformado, é um bom 3 estrelas (bastante usado pelas operadoras de turismo brasileiras) e tem um café da manhã igualmente delicioso.

  26. Ah, se você preferir ir pra Recoleta, os hotéis lá são um pouco mais caros, mas às vezes aparece alguma boa promoçào da rede Kempinski – veja o que o seu agente consegue pra você e compare com o do centro…

  27. Carla!
    Como vc é blogueira fanática, resolvi comentar aqui em vez de te mandar e-mail…
    Em meio de vários comentários de pessoas super viajadas, vou declarar que “Não conheço Buenos Aires” – Por enquanto! Pois este será – se td der certo- meu merecido presentinho ( dado por mim para mim) de formatura…Uebaaaa!
    Eu e uma amiga estamos confabulando…

    Poxa, parece q vc conhece a cidade tão bem…
    Ajudaria sua aluninha a desenvolver um roteiro super legal?
    Quero ficar lá ao menos 10 dias…
    Vou fuçar mais seus posts…e recolher informações com amigos que já foram…
    Adoraria ter sugestões suas tbm.

    Por enquanto é só…
    Venho te visitar mais vezes.
    Beijo, tchau.

  28. Elisa, que boa surpresa!!! 😀 Claro que te ajudo! Vamos montar um roteirinho super bacana! O melhor caminho é mesmo começar lendo alguns posts pra você ter uma idéia do que mais gostaria de conhecer. São tantas opções, e tantos lugares interessantes – a parte mais difícil é escolher! Mas com 10 dias vai dar tempo pra fazer muita coisa… 😉

  29. Oba!!!!!!!
    Vou ler sim… Vou comentando, perguntando…
    Ah, vi q viu meus ecos lá no blog dos contos…
    Hj deu pra matar um pouco da saudade do pessoal…

    E obrigada por lembrar do trabalho. Aguardo suas considerações sim.

    Beijos,

  30. oi carla
    q bom q vc fala novamente de B.A, vou com 13 pessoas para lá semana q vem e gostaria q vc me desse o endereço do apartamento q vc ficou, pretendo conhecer pq devo voltar novamente em novembro.Te amolando um pouco:
    Estou querendo ir num milonga e me falaram de La viruta, vc conhece? parece ser um local mais jovem, onde se tem aula de tango e salsa. Talvez vá até a colonia, para ir pra lá tem q ter guia? ja vi o preço da passagem, mas pretendo comprar qdo chegar em b.a.; qtas horas eu vejo tudo da cidade, ou pelo menos quase tudo… Até Lujan tenho vontade de ir… o zoo é diferente, me falaram q o zoo é feio e sujo… q seria melhor o temaiken,, nunca li nada seu de lá… pos favor me envie os endereços dos ap…. qdo retornar colocarei minhas impressões por onde passei.
    ah, apesar de ir para passear ng resiste a umas comprinhas,,, vc sabe se lá tem alguma loja da Kipling? ou da victorias secret ?
    obrigada …

  31. Marcia, estou falando do apê nesse post aqui: http://idasevindas.wordpress.com/2008/08/07/meu-primeiro-endereco-portenho/ Nos comentários você vai encontrar outras dicas também interessantes!

    Nunca fui ao La Viruta, não, mas também já ouvi falar muitíssimo bem. Mas eu não deixaria de ir ao Bar Sur por nada desse mundo. É simplesmente maravilhoso!

    Para ir a Colonia você não precisa ter guia, não. Basta pegar um mapinha da cidade no escritório de turismo. De resto, é caminhar pelo centro histórico, almoçar em um restaurante gostoso e, se possível, ver o pôr-do-sol no Paseo San Gabriel. Saia cedo de Buenos Aires para poder aproveitar bem o dia!

    Fui ao Jardim Zoológico dessa última vez, e gostei. Não achei nem feio nem sujo. Nunca fui a Luján nem ao Temaiken – esse estou guardando para experimentar quando levar o meu sobrinho. Não sou muito de sair de Buenos Aires, não, conheço pouquíssimo dos arredores – sempre acho que tenho tanto o que fazer na cidade!

    Sobre as comprinhas – não vi nem Kipling, nem Victoria’s Secret, mas não conte muito com a minha informação, não, Ok? Não presto muita atenção nas lojas… De qualquer modo, você tem VS a ótimos preços no free shop quando voltar! Provavelmente vale mais a pena… 😉

  32. Com o transito infernal, na hora do pique só metro mesmo !
    Sb Palermo Soho : sem nenhuma duvida lá estão os melhores lugares
    para comer . A gente até almoça perto de onde está turistando , mas para jantar … é imperdível P.Soho , então … quem prioriza o “clima portenho noturno” ganha muito tempo se ficar hospedado por lá .
    Nós curtimos bastante poder jantar cada noite num lugar diferente e voltar a pé para casa .Acho que Palermo Holywood é que fica fora de mão ..Se o habito for sair pela manhã e voltar só no fim da tarde , P.Soho é uma excelente escolha , pois com uma rapida corrida de taxi mais um metro dá para ir a qualquer lugar na cidade .Mas uma coisa é certa : os melhores cafés da manhã estão todos na Recoleta 😆 , que é pra onde nós vamos de novo na próxima 😳

  33. Para a Marcia : Vic Secret tem no free shop daqui ! Os argentinos não tem quase nada com bandeira americana , só européia 😉

  34. Sylvia, o trânsito está mesmo um horror, né? Um dia levamos quase 40 minutos da Recoleta até o Puerto Madero, onde íamos almoçar com as meninas! Depois disso, passamos a usar o metrô direto, algo que eu não fazia há alguns anos…

  35. Carla , cada vez estamos mais fanáticos por ” nada abixo da 9 de julho ” 🙄 então o subte passa a ser a forma mais eficiente de chegar em Belgrano 🙄 A dobradinha :uma parte de metro e o resto de taxi é a fórmula ideal para BsAs 😉

  36. É verdade, Sylvia! Acho que eu não andava tanto de metrô em Bs.As. há uns bons 10 anos!!! Mas mesmo quem não deixa de ir pro centro, como eu, tem no metrô uma ótima opção… 😉

  37. Carla,

    Lendo diariamente o Viaje na Viagem, acabei me viciando em BsAs também. Resultado: de dezembro de 2007 para cá, já foram 3 viagens, somando 25 dias na cidade. E querendo mais!

    A última, faz duas semanas, e, pela primeira vez, andei de metrô. Antes, só de taxi ou a pé mesmo. Os táxis estão mais caros, e, pra voltar pro aeroporto, precisei parar 3 táxis na rua até encontrar um que cobrasse os habituais 60 pesos mais pedágios.

    O que mais me atrai em BsAs é a arquitetura (gosto de fotografar), o que me faz querer sempre voltar ao centro, à plaza San Martin, a San Telmo. Como já tinha visitado esses lugares, pesquisei antes a possibilidade de visitar internamente alguns prédios. Sabe que tem visitas guiadas ao Palácio Barolo, por exemplo? Só que, de última hora, meu namorado, que não conhecia a cidade, acabou decidindo ir, e tive de mudar um pouco o foco da viagem. Mas as informações ficarão para a próxima visita!

    Ainda assim, mesmo não gosto muito de “excursões”, fiz três visitas guiadas gratuitas que me surpreenderam positivamente e valeram muito à pena (e olha que eu não sou a maior fã de história!).

    A primeira foi ao Congresso Nacional, aliás, ao Senado (porque o prédio serve também à Câmara de Deputados, que tb tem a sua visita, mas eu não quis fazer). Nessa, aconteceu um fato ridículo que foi o guia ter interrompido a visita duas vezes para atender o celular, sem nem pedir licença ao grupo! Mas é muito interessante visitar o prédio. Lá, existe um lustre que pesa cerca de 2 toneladas e é lindíssimo! Só ver essa peça já vale a pena.

    A segunda foi ao Cemitério da Recoleta. Acho que era a quinta ou sexta vez que eu entrava no cemitério (já disse que gosto de fotografar?), mas nunca tinha feito a tal visita. O guia era extremamente bem informado, e o grupo não tinha nem 10 pessoas, eu era a única brasileira. Todos sairam muito bem impressionados a qualidade da visita.

    A terceira foi ao Palacio San Martin, que atualmente pertence ao Ministério das Relações Exteriores da Argentina (Cancilleria). A antiga “casa” da família Anchorena é maravilhosa! Nesse caso, é bom ligar antes, porque o local funciona como o nosso Itamaraty e, se estiver ocorrendo algum evento, as visitas podem ser suspensas.

    Dessa vez, comprei um livro de fotografias (Buenos Aires Art Nouveau), que será meu guia na próxima visita à cidade!

    Como você, Carla, não sou muito consumista, mas tem algumas lojas que gosto de ir, nem que seja só para olhar as novidades. A principal é a Papelera Palermo (quase me matriculei num curso de origami lá!). Então, sempre vou a Palermo, mas uma tarde é suficiente para ver tudo. Volto lá à noite, para ir aos restaurantes. Já visitei os out-lets da Córdoba, mas acho que só conhecendo bem dá pra aproveitar. Tem muuuitas lojas, tem de saber o que vale a pena comprar.

    Nunca tinha entrado no Café Tortoni, pq sempre encontrava uma fila na porta. Dessa vez, não tinha fila. Estava lotado, tive de esperar uns 5 minutinhos para sentar, mas gostei. O chocolate quente estava delicioso, mas é caro mesmo. Meu plano era tomar o café da manhã, porque acredito que seja vazio nesse horário, mas eu acabei indo só no começo da tarde. Quando saí, umas 15:00h, já tinha fila na entrada…

    Também nunca tinha ido a um show de tango (os comentários sobre alguns desses shows me deixavam completamente desanimada), mas fui ao Bar Sur e fiquei encantada! Até pedi para eles tocarem alguns tangos de que gosto e fui prontamente atendida!

    Na minha primeira viagem a BsAs, fui a Colonia del Sacramento. Amei! Fui só para passar o dia, mas quero voltar para ficar uma noite na cidade. Detalhe: no dia que fui, era feriado (dia 25.12), e o escritório de informações turísiticas estava fechado, ou seja, nada de mapinha! Se eu não tivesse levado as informações que imprimi aqui do blog, Carla, inclusive o mapa, teria ficado perdida!

    Aliás, suas dicas (e as da Sylvia tb) foram essenciais para as minhas viagens. Obrigada!

  38. Wanessa, que ótima idéia essa de fazer visitas guiadas! Eu também não sou fã de excursões, mas curto bastante esse tipo de visita – e eu adoro História… 😉 Uma das melhores visitas guiadas que já fiz na vida foi ao Teatro Colón – espero que quando a reforma finalmente terminar eles voltem a oferecê-la!

  39. oi
    finalmente chegando a semana da viagem, estou ansiosa pelos passeios.Não sei cada lugar me pediu um preço para fazer a colonia e achei muito estranho, acho que por isso estou em duvida.
    Como o grupo é grande, cd um quer fazer algo diferente.Vcs ja´estiveram na milonga La Vitura? e no opera pampa? e no Humberto M?
    os outros passeios foram faceis pq andei olhando os comentarios,,, mas de qq foram sempre tenho confiança no que vcs postam…
    agradeço resposta, 4 feira estarei lá..Aceito conselhos tá?
    beijos

  40. Márcia, você não precisa contratar ninguém para levá-los a Colonia, não… Quando vocês chegarem, vá ao escritório da Buquebus em Puerto Madero (qualquer taxista sabe onde é) e compre as passagens para o dia que vocês escolherem. É baixa temporada, não deve haver dificuldade.

    Quanto às milongas, nunca fui a nenhuma, não… Uma famosa, que já me recomendaram bastante, é a da Confitería Ideal, que acontece todas as tardes. Mas continuo recomendando enfaticamente o tango no Bar Sur – é diferente de tudo o que você já viu ou imaginou, vale muitíssimo a pena! 😀

Deixe uma resposta para Majô Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *