Um roteiro de cafés da manhã em Buenos Aires

Muitas vezes, quando eu sugiro a alguém aqui no blog que alugue um apartamento, a pessoa me diz assim: “Mas eu não quero passar as minhas férias cozinhando e lavando louça!!!” Bom, nem eu, em sã consciência, iria sugerir uma barbaridade dessas… 😉 Quando pensei em alugar o apê, não estava pretendendo perder nem um milésimo de segundo das férias com atividades domésticas “evitáveis” – mas não dá pra fugir de jogar o lixo fora, né?

Quando falamos de uma cidade como Buenos Aires, preparar qualquer refeição, inclusive o café da manhã, é uma atividade doméstica da categoria “evitável” – afinal, estamos falando da cidade sul-americana mais bem servida de cafés, confeitarias e similares!!! Nas 7 manhãs que passamos na cidade, poderíamos ter tomado o nosso café cada dia em um lugar diferente, e sempre perto de casa – só repetimos por escolha própria.

Uma dica que seguimos foi o Café del Pilar, na esquina da Junín com Gral.Las Heras, descoberto pela Emília e endossado pelo Alexandre:

O ambiente do café é uma graça:

E pode-se escolher entre vários tipos de café da manhã, todos igualmente apetitosos. Normalmente consistem de café com leite (que pode ser trocado por café puro ou chá), medialunas (semelhantes aos croissants) e tostadas:

No dia seguinte resolvemos experimentar algum lugar que aparecesse no caminho entre o nosso apê e a Ateneo Grand Splendid – caso nada nos agradasse, bastava seguir direto para o café da livraria… 😉 Encontramos um lugarzinho simpaticíssimo bem ao lado, na própria Avenida Santa Fe, o Buenos Aires Grill – que serve um café da manhã delicioso:

Eu não gosto de café com leite, e sempre peço para que substituam o meu por alguma outra coisa. Nesse dia não precisei – uma das opções trazia um belo cappuccino!

Um dos meus cafés favoritos em Buenos Aires, a partir desta última viagem, foi o Café de la Rambla, na esquina da Posadas com a Ayacucho. Eu não o conhecia antes e foi uma descoberta totalmente por acaso. Como eu freqüentei Buenos Aires tanto tempo sem saber da existência do chocolate caliente do La Rambla, muy fuerte, feito, como gentilmente me explicou o garçom, com uma barra de chocolate amargo e outra ao leite?!? 😉

E o lugar em si, não é absolutamente lindo?!?

Arriscamos mais uma novidade no outro dia… Afinal, não tem graça só seguir as dicas, né? É preciso arriscar um pouquinho para descobrir umas pérolas e poder passar a dica adiante… 😉 E o achado da vez foi a Confitería Québec, na Avenida Callao:

O lugar é relativamente pequeno, há poucas mesas, mas tudo é delicioso…

Um lugar onde fomos apenas à tarde, mas que não deixa de ser uma opção para o café da manhã, é o Café La Biela:

É um fato que os preços lá são proporcionais à fama do lugar, mas vale experimentar…

Café Tortoni – modo de usar:

Um outro lugar que é super turístico, mas que eu simplesmente AMO e onde não deixo de ir nunca, principalmente quando faz frio, é o Café Tortoni, na Avenida de Mayo:

Não deixo de ir nunca porque não me importo que o Tortoni seja turístico. Isso não me faz diferença… O que me importa é que, seja turístico o quanto for, ele nunca vai deixar de ser um dos cafés mais lindos onde eu já fui, onde tomo os chocolates quentes mais deliciosos que existem, e que, além disso, está situado na avenida que tem a arquitetura mais bela de toda Buenos Aires.

Agora, não acho que ninguém tenha que ficar em fila na porta nem agüentar mau humor ou mau serviço no Tortoni, não – e nem contar apenas com a sorte para evitar esses dissabores… Eu acredito que o Tortoni tem um jeito certo de usar. Posso até estar enganada, mas comigo sempre deu certo. A dica é ir sempre na contramão do fluxo… Por exemplo, se tiver fila na porta, siga adiante, e deixe pra voltar outro dia. O ideal é que a entrada do Tortoni esteja assim:

Eu gosto de ir pela manhã, de preferência no meio da manhã, quando a maior parte dos portenhos já está no trabalho e os turistas ainda não chegaram. Dessa vez, entrei no café às 09:30 h e estava até mais vazio do que eu esperava:

Logo fomos atendidas e pedimos nosso café da manhã. Eu, claro, pedi o meu velho conhecido, o chocolate espeso, um dos meus favoritos. Os outros são o submarino (aquele da barrinha de chocolate no leite fervente) e o chocolate con cognac, que eu reservo para aqueles dias de frio absurdo… O chocolate espeso é misturado pelo próprio cliente, na mesa, na medida em que preferir – o chocolate derretido vem em uma jarrinha à parte, e é daqueles que povoam os sonhos de todo chocólatra… 😆

Quando saímos, mais ou menos uma hora depois, o café já estava um pouco mais cheio, mas nada lembrava a multidão que se aglomera por lá nos fins de tarde:

Acho que vale a pena, mesmo para quem esteve lá e não gostou, dar uma nova chance. É turístico, sim, mas acima de tudo, é histórico, é parte da tradição da cidade. Ah, sim, mas acho que não vale a pena provar os churros, não, Ok? Pelo menos se vocês, como eu, gostarem dos que são recheados com doce de leite. É que, na terra do melhor doce de leite do mundo, os churros não têm recheio… 🙁

48 thoughts on “Um roteiro de cafés da manhã em Buenos Aires

  1. oi carla
    Voltei ontem de B.A.
    Assisti a 2 shows, sendo um madero tango, e o outro rojo tango.
    O madero não gostei muito pq se cantava muito e musicas eu não conhecia, já o Rojo tango simplesmente maravilhoso, valendo cd dolar pago.Hotel lindo, comida maravilhosa, e chamapgne a vontade.Se pudesse voltaria e pagaria com prazer. Todos os q la estavam amaram o show, claro q os argentinos nao gostam assim como nao gostam do sr, tango e do el viejo. Amei, recomendo para quem ama a musica e a dança. ex Bailarinos do el viejo lá se apresentam agora, SIMPLESMENTE IMPERDIVEL.
    Minha filha e o grupo foram no sr. tango, e amaram tb, assim como eu no ano passado.

    Não fui no bar-sur, mm com 6 noites não deu tempo. Mas estive no cafe tortoni e me decepcionei. Não gostei , mas farei o q vc disse, na proxima dou outra chance…
    Tambem estive no opera pampa, e gostei muito do show, coreograficamente muito bonito, quem pudere vá assitir, o jantar nem percebi se estava bom devido ao cansaço.

    Em relação a compras, fui na loja arredo e fiz a festa.
    Achei as coisas mais caras do que no ano passado, mm nos outlets que muitas vezes não compensava, ams de qq jeito gastei.
    Fiz o Tigre diferente dessa vez, pois tinha detestado o passeio, fomos de van privativa, e amei cd detalhe que não vi 1 ano antes. Aconselho a irem mas não de passeio fechado, e sim por conta, peguei um receptivo lá muito bom e nos levou por toda a região. QQ coisa posso passar endereço por email… SO TENHO A AGRADECER PARA VC E PARA TODOS QUE LIAM MINHA PERGUNTAS E RESPONDIAM, e que agora retribuirei como puder.
    Conheci B.A. diferente, graças a vc e ao seu blog. OBRIGADA MM.

  2. Marcia, que bom ter o seu feedback! Sabe, eu mesma preciso voltar ao Tigre e dar uma chance. Da última vez pretendia fazer isso, mas estava tão frio que preferi deixar para uma época em que passear ao ar livre fosse mais agradável…

    Mas me diga: como foi, exatamente, a sua experiência no Tortoni? Estava cheio? Você não gostou do atendimento, da comida? (Não é propaganda de lá, não, viu? Eu só tento entender melhor porque eu gosto tanto do lugar e tanta gente detesta…) 😉

  3. Ai, Carla! Assim não dá – você me deu uma fome… E já estou com síndrome de abstinência de Buenos Aires, de novo 😉 Beijo!

  4. Carla, agora fiquei com o mesmo problema da Dani S.: abstinência de BsAs!

    Em relação ao Tortoni, fomos no meio da tarde e esperamos cerca de dois minutos por uma mesa. O atendimento foi bom e até que gostei do churros “sem recheio”!

    O La Biela está localizado a poucos metros do apto onde ficamos hospedados. Devido a proximidade, fomos umas três vezes lá e gostamos do atendimento e da comida.

    E que ótima descoberta esse Café de la Rambla! Já é mais um bom motivo para voltar a BsAs.

    Um abraço!

  5. Ai, Carla, também fiquei com água na boca! Esse chocolate espeso parece tão bom… 🙂 Acho que uma das coisas de que mais gosto quando viajo é ter uma mesa de café da manhã me esperando. E não resisto a uma cafeteria, confeitaria…

  6. Dani, Alexandre e Camila, eu também fiquei morrendo de saudades de Bs.As. só de ver as fotos pra escrever o post…

    Dani, abstinência de Bs.As. é fácil de resolver! Mas não se esqueça que estamos esperando você no Rio… 😆

    Alexandre, quem aproveitou a dica do Café de la Rambla in loco foi a Majô. Comentei com ela lá mesmo sobre o café e no dia seguinte ela foi experimentar. O lugar é uma delícia em todos os sentidos!

    Camila, eu também sou uma apaixonada por cafés da manhã! Não deixe de provar o chocolate espeso quando você voltar a Bs.As. – é bom demais!

    Jeane, eu tenho a mesma impressão que você! Pra mim o Tortoni é o equivalente portenho da Confeitaria Colombo… 😀

  7. É incrível como no Brasil não existe uma cafeteria que sirva café-da-manhã! Toda vez que tomei café em Buenos Aires, me serviram com um copinho de água com gás. Apesar de não gostar de água gasosa, a combinação é perfeita! Isso é um costume?

    Bjs!

  8. Carla…adorei o post…dicas que estou precisando afinal pretendo comer todos os dias na rua…se em casa não faço nada não vai ser de férias…
    E também amo café da manhã!!!
    Dessa lista aí lembro de ter ido no La Biela e agora que sei que é pertinho do meu futuro apê já sei que vou bastante!!!
    Dicas anotadas.
    Beijos

  9. Alexandre, eu não sei te dizer a razão ou a origem desse costume, mas é certo que, em qualquer café em Buenos Aires, sempre servem um copinho de água com gás junto com o café. Eu também não sou muito fã das águas gasosas, mas concordo que com o café é perfeito!

    Carlinha, se o La Biela fica perto do seu apê, o La Rambla deve ficar também, porque são bem próximos… E os outros não devem ser muito distantes. Estando na Recoleta, não vão faltar cafés super charmosos no seu caminho! 😉

  10. Carla, adorei suas dicas! Final do ano vou pra Argentina e infelizmente não vou ficar tempo suficiente em Buenos Aires para poder experimentar todas as suas sugestões…

    Bjs

  11. Luisa, nem se preocupe, porque nunca dá tempo de fazer tudo mesmo… E você ainda vai descobrir os seus próprios recantos! 😉

  12. Oi Carla.
    Gostaria de esclarecer uma dúvida: qual é o melhor doce de leite e onde posso comprá-lo em Buenos Aires?
    Obrigada.

  13. Cecília, há controvérsias… Alguns amam o doce de leite Havanna, outros são fãs do La Salamandra ou do San Ignacio. Eu AMO o La Serenisima estilo colonial, que você encontra em qualquer supermercado.

  14. oi carla
    aqui vai a minha impressão do Tortoni,,,,
    O local não estava cheio pois foi numa 2 feira a noite, local logico muito antigo e mal consevado, nao sei se pelo motivo de ter pouca gente observei detalhes q qdo cheio nao devem nem dar para perceber,,,, descuido talvez seria a palavra certa para o local. Sendo um lugar historico vamos dizer assim, deveria ser mais bem cuidado.Quero deixar claro q o grupo q comigo estava não fez cara muito boa em estar lá. Eu tinha falado no bar-sur, mas como o tortoni é famoso quizeram ir e tb nao gostaram.
    Em relação ao chocolate espesso é bom sim. Mas Vai uma dica,,, chocolate bom mm é em GRAMADO num parque q vc desce a montanha num trenó…. la´posso dizer q é ESPESSO… e imperdivel…. pelo menos essa é a minha impressão…
    Vi umas 2 danças do tortoni e nao me agradou,,, totalizando td, nota 6 no geral para essa minha 1 visita.
    Mas as pessoas não são iguais e os gostos diversificados,,, então de qq maneira para poder opininar precisa conhecer…
    Quero voltar para lá com meu marido e me hospedar em um ap como foi sugeriu…
    Adoro B.A. e minha viagem com todos os erros e acertos foi OTIMAAAA..
    BJOS…

  15. E parabens pela proposta recebida, e q ela lhe traga bons frutos…
    Espero que vc continue sendo essa simpatia e que nunca perca essa sinceradade em seus posts. Bjos… Que DEUS te acompanhe…

  16. Ah, Marcia, vocês foram ver o tango no Tortoni? Eu tinha a intenção de ir no ano passado, mas acabei mudando de idéia, então não conheço os salões de tango de lá. Agora, aliás, acho que nem vou conhecer, porque depois do Bar Sur qualquer coisa vai ser sem graça pra mim… 😉 Nos meus relatos sobre o Tortoni eu falo sempre apenas do salão principal – e aí a minha impressão foi mesmo bem diferente da sua… Obrigada pela força! Espero contar com as suas visitas lá no blog novo! 😉

  17. Carla,
    Fui a BsAs em junho com algumas amigas pela primeira vez e aproveitei algumas dicas do seu blog, inclusive a indicação de hotel. Ficamos hospedadas no Lafayette e gostamos muito da localização e das instalações, devo voltar agora em outubro e quero fazer reserva no Facon Grande. Você sabe me dizer se existe diferença de preço se eu fizer reserva por telefone ou email ou se a fizer através de agências de turismo?

  18. Eliana, essas coisas variam muito… Pode ser que haja diferença por conta de alguma promoção, assim como também pode ser que você encontre o mesmo preço. A dica, como sempre, é pesquisar bastante antes de fechar o negócio. Agora, você tem certeza que vai fazer o downgrade do Lafayette para o Facón? A diferença de preço entre eles é tão grande que justifique?

  19. Então…Carla ainda estou em dúvida, inclusive pq agora, como comentei lá no post “meu primeiro aptº em BsAs”, tbém estou pensando em alugar um estúdio na Recoleta para curtir e explorar bem o bairro. Pelo que já vi se optar pelo estúdio, aí mesmo é que vai ficar bem em conta! Quero aproveitar para te dar os parabéns pelo blog que é muito mais informativo que qualquer agência de viagens. Você vai mudar de endereço?

  20. Os cafés de Buenos Aires são mesmo um capítulo à parte nesta belíssima cidade. Gostei do show de tango da Tortoni. Fui um dia à noite, a sala Alfonsina é pequena e aconchegante, os músicos e o cantor excelentes, os dançarinos bons e simpáticos. Não é uma super produção e sim um show mais intimista. O preço é ótimo: 60 pesos apenas. Valeu muito; nesta noite havia turistas de vários paises da América do Sul e Europa. Todos ficaram satisfeitos aparentemente.

  21. Churros sem recheio?! Sério mesmo?! :-O
    Menina, tô louca pra poder voltar a sair de casa…. com este post sobre cafes entao, me deu mais vontade de poder ir pra rua aproveitar estas delicias, levando a Julia. Ainda nao fui ao Tortoni, acredita? As vezes que fui, tinha muita fila e acabei desistindo. Vou tentar ir nesse horario que vc foi.
    Bjo!

  22. Marcelo, os shows mais intimistas me agradam bastante… Acho que vou acabar tendo que experimentar o do Tortoni, sim, nem que seja para ter uma opinião própria! 😉

    Chris, indo assim de manhã você deve conseguir evitar as filas, sim! Achei muito engraçado que você ainda não tenha ido ao Tortoni – é justamente porque você está tão pertinho que pode adiar… Me faz lembrar o fato de que a gente quase nunca visita pontos turísticos na nossa própria cidade, a não ser quando leva um visitante! 😀

  23. Ai, Carlinha que saudaaaades de Buenos, do La Rambla, enfim de tudo 😳 Adorei a Confitería Québec, parece djilicia, não cheguei a conhecer, fica pra próxima 😉

  24. Majô, eu fico morrendo de saudades de Bs.As. a cada vez que passo aqui pelo blog, nem que seja só para responder a um comentário… Essa cidade é mesmo viciante!!! 😉

    E a Confitería Québec foi um achado ao acaso – mas já recomendo a visita!

  25. Carla, se tivesse lido antes seu blog sobre os cafés de BsAs, teria evitado a maior Gafe da minha viagem (sempre temos uma meia dúzia para contar… mas essa.. foi demais! haha).

    Na chegada (a noite) em BsAs resolvi dar uma reconhecida noturna com a minha irmã e, principalmente, tomar uma Quilmes (era capaz de não dormir se não tomasse, estava desesperado) em qualquer lugar.

    Na Avenida Corrientes em uma esquina estava um pomposo Café (Café Orleans) com o logotipo da tal cerveja, não deu outra, tinha um movimentinho lá, uma mulherada bonita, entramos. Ao entrar vejo que era muitas, muitas moças mesmo e uns 2 homens.

    Sem dar muita atenção a nada, entrei no café, pedi minha Quilmes (sem olhar o cardápio) e comecei a perceber aquela mulherada me olhando, constato a forte maquiagem nas frequentadoras e, detalhe, duas garotas lindas pajeando um senhor de quase 70 anos. Só tinha uma conclusão… Estava em BsAs acompanhado da minha irmã caçula tomando uma Quilmes em um puteiro chique… É fácil? Acho que ninguém entendeu nada !

    Ao constatar o engano, pedi a conta (8 dólares a garrafa de Quilmes.. Ao ver o valor da garrafa na conta isso me doeu!!). Falei com o garçon que não era possível, aquele valor estava errado, eles estavam me cobrando mais porque eu era turista. Resposta do Garçon (figura): – En otros lugares la cerveza es mas barata, pero non tienen las acompañantes!”.

    Nem preciso falar mais nada… hehe… só pensei: “O cara está certinho, deixa passar a conta no cartão e vamos nessa!”.

    A não ser que queiram mais do que café, alfajores e croissant, essa foi a minha anti-dica de café em BsAs. Café Orleans.:)

  26. Cid, essas coisas acontecem… 😆 Eu já tinha reparado uns lugares meio esquisitos no centro de Buenos Aires, principalmente à noite, mas ainda não tinha ouvido nenhuma história que confirmasse. Agora, 8 dólares a garrafa de Quilmes foi um assalto, né? Caramba… 😉

  27. No mes de setembro seria a melhor opção?Desejo ir para buenos aires e depois bariloche dai pegariamos um carro e iamos at[e o sul.Vc poderia me dar alguma sugestão…..Queriamos passar uns 15 dias viajando…poderia ser de carro, que da para ir parando aonde quiser.

    Aguardo sugestões.Obrigadaaaaa

  28. Ana Cláudia, eu não conheço nada ao sul de Bariloche, não tenho dicas pra te dar… Mas sugiro pesquisar direitinho se essa é uma boa viagem para se fazer de carro… Me parece que as distâncias são muito grandes, e com poucos atrativos no caminho… Até onde você gostaria de ir? Minha sugestão seria escolher seus destinos e ir de avião.

  29. Oi Carla! Eu e meu marido estamos indo pra BA em julho. Gostaria de dicas suas de hotel. Estamos com dúvida de onde ficar: Recoleta, Palermo ou no Centro mesmo. Pelo que lí vce indica ficar em Recoleta, certo? Obrigada e abço!

  30. É a primeira vez de vocês na cidade, Myrthes? Eu acho a Recoleta perfeita sempre, mas não descarto a opção de se hospedar no centro, desde que seja nas imediações da Plaza San Martin. De resto, acho o centro bastante decadente. Quanto a Palermo, acho indicado apenas para quem já conhece a cidade, gosta do bairro e pretende curtir aquela região especificamente.

    A única vez em que me hospedei em hotel na Recoleta foi no Park Elegance Kempinski – e aprovei. Na outra vez aluguei um apartamento, que foi uma experiência super bacana também.

  31. Vou meter a minha colher se voces permitem, mas a dica da Carla do Facón e muito boa, é um hotel simples , muito bem localizado, e a reconquista virou rua de pedestre. O custo beneficio e excelente.

    Irei em outubro e estou pensando em ficar em um , apart chamado Cordoba 860 recomendado por uma amiga, bem no centrão, da maneira que eu gosto., mas com uma pequena cozinha para poder fazer uns lanchinhos., meio caminho do apartamento, que é o meu sonho, mas ainda não deu porque vou com outro casal e ficaria dificil arranjar dois apartamentos porta com porta, e um apartamento só não me pareceu uma boa idéia.

  32. Dessa eu não sabia, Bernardette, que a Reconquista virou rua de pedestres! Isso melhora ainda mais a relação custo-benefício do Facón na minha opinião! 😉

    Sobre o apartamento, concordo com você – nesse caso fica melhor mesmo um apart do que dividir o apartamento com outro casal… Uma outra opção seria tentar dois apês no mesmo endereço, mas não é garantido conseguir, né?

  33. Quando estive no Natal, as obras estavam bem adiantadas, a parte depois da Avenida Cordoba, estava pronta e ficou bem bonitinho. Em frente ao Facon estavam quebrando e dei graças a Deus de nao ter conseguido reservar la. Tive uma amiga que foi em janeiro e disse que ja tinham terminado.

    Quanto ao apartamento achei dificil conseguir dois porta com porta e optarei pelo Apart.

  34. Oi Carla tudo bom?

    Vou a Buenos Aires e pretendo levar meu notebook que adquiri aqui no brasil, sei que tenho que fazer a declaração no receita federal ao sair do pais para não ser taxado na volta. Mas minha dúvida é em relação ao desembarque em Buenos Aires, tenho que declará-lo naquela ficha que recebemos a bordo ou na alfandega argentina também? Obrigado por sempre esclarecer minhas dúvidas. (Obs: acho que minha pergunta num tem muito haver com este tópico né? rs)

  35. Julio, se você comprou o seu notebook aqui no Brasil você não precisa declará-lo na Receita Federal, não – essa declaração só é necessária para produtos que você tenha adquirido em outras viagens ao exterior, para que ele não entre na sua cota de compras permitidas.

    Sobre a chegada lá, não posso te dar certeza absoluta, e nunca levei meu notebook para a Argentina. Mas acredito que não seja necessário declarar. Eu, pelo menos, nunca recebi nenhuma orientação a esse respeito…

  36. Sempre lembrando que esse registro na Receita Federal é para bens IMPORTADOS – não é necessário registrar bens fabricados no Brasil! 😉

  37. Pingback: Cafés da manhã… » Idas e Vindas

  38. Pingback: Pelos jardins… » Idas e Vindas

  39. Oie Carla,tudo certinho?

    estou indo passar o reveillon em Buenos Aires e gostaria de saber se vc poderia me dar alguma dica de lugares pra curtir uma “ceia de reveillon”.

  40. seu blog é ótimo, porém fica devendo apenas a falta de informação nos preços dos lugares que foi e alimentos consumidos.

    abraços

  41. Deivid, a Argentina está sofrendo com a inflação, e os preços mudam constantemente, daí eu ter optado por não incluir os preços. Escrevi esse post sobre locais que visitei em julho de 2008 – hoje, qualquer informação sobre valores estaria completamente desatualizada. De qualquer forma, vale lembrar que os custos lá são inferiores aos nossos, de modo que, se você planejar gastar por lá o que gastaria aqui, vai ter a boa surpresa de ver o seu dinheiro render.

Deixe uma resposta para Camila Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *