O pequeno turista "acidental"...

O pequeno turista “acidental”…

Eu me fiz essa pergunta inúmeras vezes antes de me decidir a planejar uma viagem com o Jonas para Buenos Aires. Em viagens anteriores eu já havia visto muitas crianças pela cidade, claro, e a passagem aérea barata atrelada à facilidade de alugar um apartamento foram decisivas na hora de tomar coragem.

A pergunta em si não tem uma resposta definitiva… Comecei a pensar da seguinte forma: se moram crianças em uma determinada cidade, claro que tem que haver atividades para elas! A questão é saber se essas atividades demandam conhecimento da língua do lugar, o que pode ser uma barreira, e se são do agrado da nossa criaturinha em particular… ;-)

Eu já tinha uma lista de lugares onde sabia que o Jonas gostaria de ir. Tinha certeza que ele ia curtir o  Jardín Zoológico,  como toda criança curte um zoológico daquele tamanho… Mas eu também sabia que ele ia amar o Jardín Japonés, porque gosta tanto de comida japonesa que vive dizendo que gostaria de ir ao Japão…  A partir daí, comecei a procurar online outras atividades que pudessem ser do gosto dele – perguntei no VnV, googlei “Buenos Aires com crianças” em português, inglês e espanhol, e fui anotando as sugestões.

A conclusão é que há muito mais atividades do que o tempo e o cansaço permitem levar a cabo… :mrgreen: Viajando com uma criança, o ritmo dos passeios é sempre uma incógnita – pode ser que um dia seja possível sair de casa cedo, e fazer várias atividades; mas também pode ser que outro dia a figurinha queira ficar vendo desenho animado na TV e seja preciso inventar mil e uma histórias pra estimular o mocinho a querer ir pra rua… (Aproveitei uma manhã de chuva pra sair sozinha com a minha mãe para umas comprinhas, enquanto ele ficava em casa com o meu pai vendo um pouco de TV… ;-) )

Uma técnica que testei e funcionou, ao menos no caso do Jonas, foi sempre bolar o roteiro diário em torno das atividades que interessassem a ele, e intercalar uma ou outra coisa que os adultos quisessem fazer. Mas é importante lembrar que pode ser que não dê pra fazer tudo o que se gostaria – até porque é preciso ter um fôlego de atleta olímpico pra acompanhar o pique dos pequenos!!! :D Eu, que em Bs.As. estou acostumadíssima a sair pra rua por volta das 8 da manhã, tomar café, passear o dia todo, voltar no fim da tarde, tomar um banho e ir pra rua de novo, dessa vez estava saindo quase às 10 e no meio da tarde já estava pedindo arrego… :oops:

Nos planos iniciais, separei vários lugares especificamente para ir com o Jonas – marquei com um asterisco os que sobraram para a próxima vez…

1. Puerto Madero – buques-museo Fragata Sarmiento* e Corbeta Uruguay;

2. Museo Participativo de Ciencias “Prohibido No Tocar” (Centro Cultural Recoleta);

3. Jardín Japonés;

4. Jardín Zoológico;

5. Parque de Palermo / El Rosedal;

6. Museo Argentino de Ciencias Naturales (ou, nos meus diálogos com o Jonas, o “Museu dos Dinossauros”);

7. Museo de los Niños (Shopping Abasto)*;

8. Reserva Ecológica*;

9. Tigre: Tren de la Costa, Parque de la Costa, Museo Naval*;

10. Bioparque Temaiken*.

Nos próximos posts, vou destrinchar o nosso dia-a-dia – sem transformar Bs.As. em outra novela… ;-)