Entre livros e praças, barcos e museus…

Uma das minhas maiores preocupações nessa viagem com o Jonas era mantê-lo entretido com atividades que interessassem bastante a ele – porque eu queria que ele gostasse da viagem, claro, mas também porque foi a primeira vez em que ele ficou tanto tempo (1 semana inteira!) longe da mãe.  Procurei bolar um roteirinho que intercalasse lugares que interessariam especificamente a ele com outros que agradassem também aos adultos. No fim das contas, foi uma ótima surpresa: nós também nos divertimos a valer com a programação infantil e ele se revelou um turista mirim cheio de disposição! No dia da nossa chegada nem fomos passear – entre o atraso do vôo e os procedimentos de alugar o apartamento, que acabaram também atrasando, perdemos praticamente a tarde toda! Resolvemos só sair para um jantarzinho rápido e fomos dormir cedo para acordar com bastante disposição. No dia seguinte, depois do café da manhã super gostoso no El Trébol, fomos caminhando até a Librería El Ateneo Grand Splendid.

El Ateneo Grand Splendid

El Ateneo Grand Splendid

A idéia era mostrar ao Jonas o teatro transformado em livraria – e também deixar que ele se divertisse um pouco no espaço infantil. Eu nem esperava que ele se interessasse tanto, já que os livros eram todos em língua estrangeira, mas ele curtiu à beça!

O espaço infantil da Ateneo

O espaço infantil da Ateneo

Compenetradíssimo...

Compenetradíssimo…

Saindo da livraria, caminhamos mais um pouco para tomar o metrô na Estação Callao. Achei engraçadíssimo notar como, com uma criança por perto, as nossas expectativas podem ser completamente viradas de cabeça pra baixo. Acho que eu esperava por tudo, menos que o ponto alto da manhã passasse a ser justamente a ida de metrô até o centro… Foi a primeira vez que o Jonas andou de metrô e ele amou essa história de pegar um trem que passa debaixo da terra e depois subir uma escadinha pra voltar pra rua – vendo por esse ponto de vista, não é mesmo o maior barato?!? 😉

Nenhum ônibus turístico estragando a foto?!?

Nenhum ônibus turístico estragando a foto?!?

Fomos turistar um pouquinho na Plaza de Mayo. Procurei incluir várias atividades ao ar livre, pra aproveitar os dias bonitos – e porque criança precisa correr, brincar, gastar energia… Aproveitando que não havia nenhum ônibus turístico à vista (em tantas idas a Buenos Aires, essa foi a primeira vez em que consegui fotografar a fachada da Catedral desobstruída!), resolvemos entrar para uma visita rápida, na medida do interesse do Jonas. Eu queria que ele visse também coisas que não são especificamente voltadas para as crianças, mas respeitando a pouca idade dele – então entramos na Catedral, mostramos o teto, o altar principal, o chão de mosaico e já tomamos o caminho da saída. Afinal, ele vai ter o resto da vida pra observar detalhes de catedrais, se quiser… 😉

Olhando para o alto...

Olhando para o alto…

... para frente...

… para frente…

... e para baixo!

… e para baixo!

De volta à Plaza, demos mais uma volta, fizemos algumas fotos e eu emprestei a minha câmera pra que ele escolhesse o que iria fotografar – com a câmera bem presa ao pulso, claro, a tia aqui do lado o tempo todo e a proibição expressa de correr… 😉

A famosa casinha cor-de-rosa...

A famosa casinha cor-de-rosa…

E não é que algumas fotos ficaram bem interessantes? Essa aqui embaixo eu acho super bacana – dá pra notar que foi feita de um ponto de vista mais baixo do que estamos acostumados…

O ponto de vista do pequeno...

O ponto de vista do pequeno…

E surgiram umas “pérolas” também, como o vôo rasante do pombo… (Isso lá é foto que se publique?!? Essa tia tá passando dos limites da corujice…)

Vôo rasante...

Vôo rasante…

Seguindo a idéia de intercalar os programas infantis e os adultos, fomos almoçar no antigo La Caballeriza do Puerto Madero (agora rebatizado de Parrilla Argentina) – é o restaurante favorito do meu pai, o primeiro onde vamos almoçar sempre que estamos em Buenos Aires… Pois o Jonas também ficou apaixonado pelo restaurante, tanto que voltamos a almoçar lá no último dia! Logo depois do almoço, voltamos aos programas feitos pensando nele –  uma visita a um dos dois buques-museo que ficam permanentemente ancorados no Puerto Madero: a Fragata Sarmiento e a Corbeta Uruguay. Escolhemos a Uruguay apenas pela localização, bem em frente ao restaurante.

Corbeta Uruguay

Corbeta Uruguay

Os ingressos são baratíssimos: apenas $2 por pessoa, e crianças não pagam – o fato é recorrente em diversas atrações, o que achei sensacional! Nada como a gratuidade da entrada infantil para estimular os pais a levarem os seus pequenos para visitar museus e outras atrações…

Apreciando a paisagem...

Apreciando a paisagem…

O Jonas amou a visita ao barco, que percorreu inteirinho DUAS vezes – haja fôlego!!! 😀

Trabalho...

Trabalho…

... mais trabalho...

… mais trabalho…

... e pose!

… e pose!

Voltamos para a Recoleta de táxi e fizemos uma paradinha rápida no La Biela para um cafezito. Como era feriado (12 de outubro – Día de la Raza), os gramados das praças da Recoleta estavam repletos, com muitos querendo aproveitar o solzinho delicioso da primavera…

Solzinho bom...

Solzinho bom…

… enquanto outros procuravam defender o dinheirinho suado de cada dia:

Duas figuras...

Duas figuras…

Estávamos a caminho da atração mais esperada do dia: o Museo Participativo de Ciencias / Prohibido No Tocar, que fica dentro do Centro Cultural Recoleta. Só fui descobrir esse museu quando comecei a fazer pesquisas sobre atividades para crianças, e fiquei também super interessada. O Jonas estava super ansioso – imagina só, um museu onde não apenas se pode, mas se DEVE mexer nos objetos!!!

Centro Cultural Recoleta

Centro Cultural Recoleta

O museu realmente agrada a curiosos de todas as idades – nós todos brincamos um bocado lá dentro! 😉 São mais de 10 salas, com experimentos relativos a diferentes ciências – alguns agradam mais às crianças pequenas, outros já demandam um conhecimento mais específico (coisas que eu fiz questão de esquecer assim que pude…), e são mais adequados aos maiores… Fiquei com pena que o meu irmão, que é químico, não estivesse lá – pra ele, aquilo seria como a Disney! 😉 A maioria das atrações é muito divertida, e vale a pena visitar com calma – descobre-se desde a explicação para certas ilusões de ótica até como funciona um GPS! Claro que, mais uma vez, a visita com uma criança pequena não vai ser muito extensa, ou deixaria de ser divertida – seguimos o ritmo do Jonas, brincamos um bocado com ele nos experimentos mais fáceis de compreender e desviamos a atenção dele quando os assuntos se tornavam complexos demais para a idade dele. Afinal, ele sempre vai poder voltar depois…

Museo Participativo de Ciencias

Museo Participativo de Ciencias

Mas nesse museu as crianças não entram de graça… De qualquer forma, os ingressos também são muito em conta: apenas $ 15 por pessoa!

Que fôlego!

Que fôlego!

Ao final da tarde, já não sobravam muitas forças. É sério, quem encara o ritmo de uma criança todos os dias deveria receber uma medalha, ou ser canonizado, não sei… 😆 Voltamos então para o apê, fomos tomar banho, relaxar um pouquinho e saímos apenas para uma pizza perto mesmo de casa. Depois, fomos dormir relativamente cedo para acordar também cedo e poder aproveitar bastante o dia seguinte!

20 thoughts on “Entre livros e praças, barcos e museus…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *