Rota de encontros

Era uma vez, em um reino muito distante (ou em vários reinos, alguns mais próximos e outros mais distantes), um grupo de pessoas que não se conheciam, mas que tinham um interesse em comum: queriam percorrer o mundo, ver paisagens diferentes das que tinham em casa, saborear outras comidas, falar outras lí­nguas, aprender sobre novas culturas e fazer novos amigos… Essas pessoas falavam sobre seus interesses com a famí­lia, os amigos, os colegas de faculdade e do trabalho, e nem sempre eram bem compreendidos – muitos achavam que eles deveriam estar pagando uma prestação de carro ao invés da prestação da passagem aérea, ou que deveriam estar mais interessados em trocar o próprio apartamento, em vez de escolher diferentes apartamentos mundo afora…

Um belo dia, um membro desse grupo (que até então não se reconhecia como um grupo, claro…) resolveu escrever um livro sobre a sua própria paixão por viagens – e o livro virou um manual imperdí­vel para os outros membros do grupo, que passaram a desconfiar que não estavam sozinhos nessa história… Passado mais algum tempo, o autor do livro decidiu criar um blog, que os outros foram descobrindo devagarinho – quem chegava começava a bater papo, assim como quem não quer nada, ia ficando, contando aos outros, e o grupo ia crescendo…

Passado mais algum tempo, um dos frequentadores da aconchegante sala de visitas virtual sugeriu: “Vamos levar essa história pro mundo real?” E rolou um encontro intimista, com meia dúzia de participantes, mas que foi um baita pontapé inicial – e provocou novos encontros, transformando os amigos virtuais em amigos reais, e qualquer lugar do mundo em um palco possí­vel para novos encontros.

Claro, o autor do livro e do blog é o Ricardo Freire; o blog, que tem o mesmo nome do livro, é o Viaje na Viagem; o autor da proposta de encontro real é o JB – e nós todos, que lemos o VnV, comentamos e damos pitacos nas viagens alheias (e até nos inspiramos a criar nossos próprios blogs!) somos os trips, os membros desse grupo que descobriu um jeito muito bacana de fazer novas amizades.

Por isso, hoje em dia, quando descobrimos que estaremos na mesma cidade que algum outro trip, bate aquela vontade de marcar um encontro, para um café que seja, que permita levar a amizade do plano virtual para o plano real – e os encontros costumam ser divertidíssimos, repletos de boas histórias!

Assim foi que eu e o JB descobrimos que estarí­amos em Buenos Aires mais ou menos na mesma época: ele por uma semana, com a filhota Bia, e uma amiga dela, e eu com os meus pais às vésperas do embarque no cruzeiro. Combinamos, antes de viajar, uma reuniãozinha no El Sanjuanino, para saborear as melhores empanadas de Buenos Aires, acompanhadas de um belo Malbec da Catena Zapata. (O JB também contou sobre esse encontro aqui.)

Meus pais, eu, JB e Bia no El Sanjuanino, Buenos Aires

Meus pais, eu, JB e Bia no El Sanjuanino, Buenos Aires

Já em Mendoza aconteceu uma cena muito engraçada… Eu e o PêEsse trocamos alguns emails a respeito da programação das nossas viagens: eu estaria em Santiago e Mendoza após o desembarque do cruzeiro, e ele iria com a esposa fazer uma “eno-viagem” mais ou menos pela mesma região e mais ou menos na mesma época. Acabamos descobrindo que eu chegaria a Mendoza no dia em que eles iriam embora, o que desmontou os nossos planos de combinar uma ConVnVenção de fato, uma pena… Mas não é que, em pleno lobby do Hotel Argentino de Mendoza, nos encontramos totalmente por acaso? Não nos conhecí­amos pessoalmente, e passamos bem uns 5 minutos no mesmo recinto, um sem saber quem era o outro, até que eu dei o meu nome para a recepcionista, o que o fez voltar do meio do caminho para 2 minutos de papo e uma foto “para a posteridade”! 😀

O PêEsse e eu no lobby do Hotel Argentino, Mendoza

O PêEsse e eu no lobby do Hotel Argentino, Mendoza

48 thoughts on “Rota de encontros

  1. Fiquei emocionada de ler o seu relato, quando digo que você escreve de uma maneira especial, não estou de brincadeira. O seu blog é diferente para mim. Adoro ler o Riq, tenho todos os livros dele e quando estou aborrecida pego um dos livros dele e dou muitas risadas. Você não, o seu texto é didático, quase poético, como se contasse uma história.
    No dia 10 de abril nos encontraremos, quero muito ouvir as histórias dessas pessoas tão especiais que dedicam parte do seu tempo a ajudar aqueles que tem a paixão em comum por viagens a viajar melhor e com mais inteligência como diz o comandante.

  2. Carlinha,

    Realmente são um barato estes encontros, tanto os programados quanto os “casuais”.

    E fico realmente orgulhoso de ter sugerido o primeiro encontro. Viu no que deu???

    Ah, já te falei que adorei ter te conhecido?

  3. Carla,
    A Bernadette tem razão, seu relato emociona!
    Abril tá aí­ e, finalmente, a gente vai se conhecer! Só estou achando que o tempo será curtí­ssimo pra conversar com tanta gente boa!
    Bjs,

  4. Mari, e o nosso encontro no meio da rua em Buenos Aires está na minha lista dos mais engraçados… 😉

    JB, você tem todos os motivos pra ficar orgulhoso – você criou um “monstro”… :mrgreen: (Acho que você não disse, nem eu – mas eu também adorei ter te conhecido! Na verdade, eu já nem lembro mais como era quando a gente NÃO se conhecia!!! 😀 )

    Mac, junte-se a nós!

    Lu, o nosso caso é um vexame à parte – mas com uma tese de doutorado cada uma, acho que estamos justificadas, né? E abril taí­! 😉

  5. Carla, embora eu não tenha tantas experiências de viagens como a maioria por aqui, sempre senti essa necessidade incrí­vel de fazer as malas e sair por aí­. Engraçado que o que você coloca no inicio do seu post é realmente o que acontece. As pessoas não entendem, priorizam outras coisas…
    Cheguei aqui exatamente da forma como vc descreve: adquirindo o livro do Riq que em minhas mãos se transformou num manual.
    Espero poder fazer parte desse grupo, mesmo tendo muito mais a aprender do que a transmitir.

  6. Carla,
    Parabéns pelo belo relato! Realmente somos uma espécie não compreendida, mas que ganhamos força com a evolução da internet e as idéias do Riq. Hoje temos um local virtual para compartilhar esse nossa paixão e também uma oportunidade de compartilhá-la no mundo real.
    Todos presentes na conVnVenção do dia 10/04!

    Abraços!

  7. Estive pensando sobre “encontros “e imaginei quantos “encontros” nao tivemos nesses anos todos morando na mesma cidade, vivendo no mesmo bairro, talvez frequentando os mesmos lugares. Como a Internet é um instrumento poderoso capaz de aglutinar pessoas com a mesma paixão e proporcionar até “encontros” verdadeiros.
    Nos encontraremos no dia 10 de abril.

  8. Muito bacana Carla! Transpor essa amizade e gosto por viagens do virtual pro real é muito bom mesmo… É como vc disse, somos mt incompreendidos nos meios convencionais!!

    beijinho

  9. Carla, parabéns pela bela crônica! Somos incompreendidos mesmo, mas acho que essa incompreensão se estende a outras questões…

    Eu diria que sonho, foto, filhos e viagens só interessam aos donos.

    Contar para os outros aquele sonho fantástico que você teve? Quem se interessa? Só é importante para você. Mostrar um álbum de fotos? PFFFFF!(eu mesmo acho um saco) Seu filhote que você acha tão engraçadinho e especial? Os outros acham um pentelho. Foto de filho, então… tem um amigo meu que deve ter 45 milhões de fotos e ví­deos da filha dele, que realmente é uma gracinha. Mas se ele me mostrar mais uma, os jornais noticiarão um crime violentí­ssimo no dia seguinte 😉

    E contar nossas viagens para os outros… ficam olhando com cara de glúteos. Eu tinha um amigo, geógrafo, que eu contava os lugares que eu havia visitado, supondo que tivesse tudo para ele se interessar, e nada. Mas um dia ele foi a Miami com a irmã e o cunhado, e não parou de falar da viagem. Rebaixei-o à categoria de “conhecido”. Claro, por outros motivos já acumulados, também.

    Mas isso é do ser humano, e nós somos humanos também. Tem coisas dos outros que nós também achamos um saco.

    E o JB realmente criou um monstro. Quero lembrar que a minha augusta pessoa esteve presente no primeiro encontro, junto com a Meilin, o Riq e o Nick!!!

    E voltando ao JB, faço coro: já te falei que adorei ter te conhecido?

    Beijos e abraços a todos!

  10. Jussara, acho que o mais importante é o interesse em comum – a gente nunca sabe de verdade quem está aprendendo e quem está ensinando…

    Alessandro, Bernardette, Rodrigo e Tiago: em abril vamos ter uma oportunidade excelente para estender várias amizades do mundo virtual para o real – vamos todos aproveitar a chance! 😀

    Arthur, eu também adorei ter te conhecido! E estou rindo horrores com a história do amigo “rebaixado”… Concordo que não tem nada mais chato do que essa imposição de ver fotos e ouvir histórias de filhos, viagens, etc… Por isso contamos nos blogs, né? Só lê quem quer! 😉

  11. Carla, é a meritocracia: uns são promovidos, outros são rebaixados e outros levam até justa causa e inclusão no SPC/SERASA.

    Arthur – Chefe do RH 😉

  12. Carla, já passei por aqui antes, mas não tive a oportunidade de deixar um recadinho.

    Que viagem merecida, realmente terminar um doutorado é um alívio que não tem preço!
    Parabéns pelo blogue!

  13. Belos encontros, estes. Ainda mais os regados a Catena Zapata.
    Excelente texto e levante a mão quem não tem a edição do legítimo VnV?
    Eu ainda o utilizo como aqueles livros de “minuto de sabedoria”. Abro em qualquer página e começa a viagem.
    Ao RIO!!

  14. Obrigada, Eneida! Realmente é um alí­vio sem tamanho…

    Rodrigo, tudo está sendo combinado no blog da Majô: http://majots.wordpress.com Apareça por lá!

    Edu, comigo acontece o mesmo… Se o meu VnV me cai em mãos, já era: grudo nele e viajo horrores! 😉

  15. Parabéns, Carla!!

    Feliz tudo!! Muitas felicidades, sucesso, viagens e encontros – programados e fortuitos!

    beijo grande de uma leitora assídua, mas quase sempre silenciosa 😉

  16. Oi, Carla,

    Parabéns!!! Tudo de bom!!! Muitos anos de vida cheios de viagens!!! 😀

    Bjs

  17. Oi Carla, parabéns atrasados, mas ainda valem! Beijos, saúde, paz e $$$$$ para viagens cada vez mais espetaculares, quem sabe até uma volta ao mundo!
    Arthur

  18. Poxa, estou atrasada.
    Parabéns!!
    Esperamos ver registrados muuuuuuuuuuuitos brindes, em muuitos lugares diferentes desse nosso mundo imenso.
    Obrigada por compartilhar com a gente essas suas experiências e, principalmente, estar sempre presente para tornar nossas viagens mais perfeitas!

  19. Pingback: Hotel Lafayette, Buenos Aires » Idas e Vindas

  20. Oh! Felicidades!!! (um pouco tarde, sorry)

    Bonitos encontros e mini conVNVenções, Carla.
    Bjs

  21. Oi Carlinha, que pena voce nao ter podido ir à Convenção no Rio Scenarium, ja li que voce teve um imprevisto. Levei um presente para voce e gostaria de fazer chegar as suas mãos. Se for possível me diga um lugar em Niteroi que eu possa deixar. Vou estar aí na quarta feira em Icaraí­ para dar aulas. O meu email é bernardetteamaral@yahoo.com.br.

  22. Oi Carla,
    Estou começando neste de ser blogueira agora, e pretendo falar sobre aventuras, em especial de viagens.
    Comecei a ler o seu blog e está servindo de inspiração!Passei a ser sua seguidora!
    Aline

  23. Bernardette, me desculpe, não vi o seu comentário a tempo!!! Vou te fazer então uma contraproposta: vamos marcar um café e bate-papo? 😉

    Aline, seja muito bem-vinda! Vou lá no seu blog te fazer uma visitinha…

  24. Oi Carla, esta é a primeira vez que comento alguma coisa por aqui, apesar das inúmeras visitas…
    Mas desta vez não resisti…
    Provavelmente pela identificação absurda que tive com este post…
    Realmente algumas pessoas não entendem muito o fato de sermos loucos por viagem, alguns acham até um pouco arrogante a completa falta de controle, mas o que mais mexeu comigo é que ao visitar os blogs de vocês sempre imaginei que vocês fossem amigos de longa data, desconhecia que este grupo tinha começado da forma que começou. Achei divertidíssimo!!! Principalmente porque quando estou espiando a vida de vocês, meu marido e filhos perguntam por onde andam meus amigos ou quais são as dicas dos meus amigos para determinada viagem que vamos fazer.
    Adorei! Parabéns!
    Cris

  25. Bernardette, quando fica bom pra você em Niterói? Que tal um fim de tarde ainda essa semana?

    Cris, o mais bacana é que esse grupo está sempre aberto a novos membros! Seja muito bem-vinda! 😉

  26. Eu estou em Niteroi na quarta feira a noite, mas ja chego em cima da hora de dar aulas, por causa do trânsito, para mim o melhor dia e na segunda feira no fim da tarde, esse e um bom dia para voce?

  27. Para mim esta otimo, saio do trabalho na Tijuca por volta das 16 h, e o tempo de chegar em Nikiti. Vamos combinar o local. Aproveito para pedir a sua autorização para colocar uns comentarios, acabei de chegar de Bariloche e Buenos Aires.

  28. Está ótimo para mim, saio do trabalho na Tijuca às 16 h, é o tempo de chegar a Nikiti.
    Aproveito para pedir autorização para escrever uns comentarios, acabei de chegar de Bariloche – Buenos Aires.

  29. Carlinha esta confirmado o encontro para segunda, depois me mande um email para combinar o local

  30. Carla, “muitos achavam que eles deveriam estar pagando uma prestação de carro ao invés da prestação da passagem aérea, ou que deveriam estar mais interessados em trocar o próprio apartamento, em vez de escolher diferentes apartamentos mundo afora” = minha vida. Que bom que outros também são assim.

    Por conta do doutorado, estou vindo pouco aos blogs. Só hoje, e mesmo assim por acaso, vi esse post. Mil desculpas, mas sei que você sabe do que estou falando.

    Adorei rever a foto de nosso rápido encontro. Espero que o próximo seja mais duradouro e a gente possa conversar bastante.

  31. Carla, “muitos achavam que eles deveriam estar pagando uma prestação de carro ao invés da prestação da passagem aérea, ou que deveriam estar mais interessados em trocar o próprio apartamento, em vez de escolher diferentes apartamentos mundo afora…” = minha vida. Que bom que outros também são assim.

    Por conta do doutorado, estou vindo pouco aos blogs. Só hoje, e mesmo assim por acaso, vi esse post. Mil desculpas, mas sei que você sabe do que estou falando.

    Adorei rever a foto de nosso rápido encontro. Espero que o próximo seja mais duradouro e a gente possa conversar bastante.

  32. PêEsse, eu sei bem do que você está falando… 😉 Essa fase é difí­cil mesmo, mas depois a sensação de vitória é maravilhosa, faz valer a pena cada minuto de dedicação! (E é um prazer enorme viajar sabendo que não se está “roubando” tempo da tese, sabe?) Tenho certeza que da próxima vez vamos poder bater um papo mais longo!

  33. Pingback: Hotel Argentino – Mendoza » Idas e Vindas

  34. Pingback: Hotel Argentino – Mendoza | Idas e Vindas - Crônicas de Viagem

Deixe uma resposta para Carmen Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *