Quinta escala: Punta Arenas

Bem-vindos a Punta Arenas!

Oito dias após o embarque em Buenos Aires, finalmente chegamos ao Chile – mais especificamente, à mais austral das cidades chilenas, Punta Arenas.

Ancoramos no Chile – literalmente!

O Norwegian Sun ancorou no Estreito de Magalhães de manhã cedo, para uma permanência de 12 horas, a maior de todo o percurso. Não sei o motivo exato dessa permanência tão longa, mas cheguei a achar engraçado que algumas das excursões oferecidas no navio chegavam a prever vôos para o Parque Nacional Torres del Paine ou até mesmo para a Antártida!!! Surreal… 😉

O Norwegian Sun no Estreito de Magalhães – que de estreito não tem nada…

O Estreito de Magalhães me surpreendeu… Pra começar, eu esperava que ele realmente fosse estreito – que nada, como nos enganamos com os mapas! E senti o navio balançar muito mais navegando por ali do que em pleno Atlântico Sul, a caminho das Malvinas ou do Cabo Horn!

Punta Arenas vista do Estreito de Magalhães

Punta Arenas é uma cidade bem grandinha, e me pareceu um pouco menos convidativa às caminhadas do que Ushuaia. Além disso, a Avenida Bernardo O’Higgins, que margeia o Estreito de Magalhães, e onde se concentram os melhores bares e restaurantes, com vista para o estreito, estava em obras… Somei o fato de que era uma manhã de 2a.f. e o trânsito não estava lá essas coisas e, pronto, criei uma certa antipatia…

Trânsito de 2a.f., com vista para o estreito…

Tive mais uma frustração em Punta Arenas… Eu queria aproveitar que não tinha visto os pingüins na Pení­nsula Valdés e visitar uma pingüinera. Nada feito… Nós tí­nhamos 12 horas de escala na cidade, então não nos preocupamos em tomar café da manhã correndo ou desembarcar depressa… Grande erro!!! As saí­das dos passeios são sempre pela manhã, e não chegamos a tempo… 🙁

Construções históricas na Plaza Muñoz Garnero

Por outro lado, não indo à pingüinera descobrimos que Punta Arenas tem palacetes históricos lindí­ssimos bem no centro da cidade, no entorno da Plaza Muñoz Garnero – e acabamos mudando o foco do passeio, de pingüins para palácios… 😉

O Palacio Sara Braun

Um clichê: a igreja em frente à praça…

Demos até um alô para Fernão de Magalhães, ou Hernando de Magallanes, como é conhecido por lá:

Homenagem a Fernão de Magalhães, descobridor do estreito

Hernando de Magallanes, não – ele era português!!!

Para mim, o ponto alto da visita foi a visita ao Museo Regional de Magallanes:

Museo Regional de Magallanes

O museu é pequeno, fica em um palácio completamente restaurado, e conta a história do descobrimento e da colonização da Patagônia. Não faltam fotos, mapas da época, histórias de conflitos, enfim, imperdí­vel para quem curte História… 😉

Por fim, na falta de um almoço delicioso em um restaurante com vista para o estreito – e sem vontade de almoçar com vista para um canteiro de obras… – voltamos para o navio para encarar 2 dias de navegação antes do próximo porto…

5 thoughts on “Quinta escala: Punta Arenas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *