Última escala: chegada a Valparaiso

Depois de 2 semanas “morando” no navio, eu já estava tão confortável com aquela rotina que tive vontade de ficar lá mais 2 semanas para fazer o percurso inverso…Como essa não era uma opção, já que tínhamos reservas de hotéis em Santiago, Mendoza e Buenos Aires, além de bilhetes aéreos já comprados, não tive outra saída senão desembarcar – morrendo de pena! 😉

Antes mesmo de completar o cruzeiro eu já estava tão encantada que investi em um NCL Freestyle Cruise Rewards – fiz um depósito de US$ 250 para um cruzeiro futuro, a ser usado dentro do período de 4 anos a partir da data da compra, e que imediatamente rende ao comprador US$ 100 de bônus para serem usados a bordo; ou seja, na verdade eu compro um desconto de US$ 250 no futuro por US$ 150 no presente… 😉 Achei uma forma muito simpática de fidelizar o cliente.

Dia D – o desembarque…

O desembarque foi bastante organizado. A nossa obrigação era liberar as cabines no máximo às 10:00h da manhã, mas não tínhamos a obrigação de deixar o navio com hora marcada – quem quisesse poderia aproveitar as dependências do navio pelo tempo que fosse, apenas não teria mais acesso à cabine. Poderíamos desembarcar a qualquer momento, depois que a cor referente ao deck da nossa cabine fosse chamada. Nós tínhamos planejado seguir nesse dia direto para Santiago, e então achamos melhor desembarcar assim que possível para aproveitar bem o dia.

Conforme desembarcavam, os passageiros eram acomodados em um ônibus que os levava do navio até o terminal de passageiros. O processo é um pouco demorado, e ainda temos que esperar no terminal pela fiscalização da bagagem – toda a bagagem de mão é “conferida” por cães farejadores, em busca de produtos de origem animal e vegetal, que são proibidos (e não apenas de drogas, como seria possível pensar).

Com a bagagem liberada, tomamos então um táxi para o Terminal Rodoviário de Valparaiso. Eu já tinha recebido a dica de que não valia a pena pagar o transfer super inflacionado oferecido pela NCL para nos levar até Santiago, e que seria super simples ir até a rodoviária de Valparaiso e seguir para Santiago de ônibus. Dito e feito! 😉 Há várias empresas que fazem o trajeto Valparaiso – Santiago, por isso são muitas saídas diárias. Chegamos, escolhemos a empresa pelo próximo horário de saída, compramos o bilhete e, em cerca de meia-hora estávamos acomodados no nosso ônibus a caminho de Santiago. O valor do bilhete é super em conta, 10.500 pesos chilenos, cerca de R$ 20 – mas o detalhe é que não se aceita cartão de crédito, é preciso pagar em espécie.

Duas horas e mais um táxi depois, chegamos ao nosso hotel com muita vontade de matar as saudades de Santiago… 😀

8 thoughts on “Última escala: chegada a Valparaiso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *