Dois dias em Mendoza

Depois de 2 dias matando as saudades de Santiago (uau, parece frase de romance de amor… 😆 ), tomamos um vôo para Mendoza. Sim, eu sei que a estrada de Santiago a Mendoza é um dos pontos altos da viagem, que a paisagem é belí­ssima e tal. Eu acredito – mas como tí­nhamos pouquí­ssimo tempo, e eu fazia questão de aproveitar o máximo que pudesse de Mendoza e suas viní­colas, achei mais sensato fazer um vôo de 30 minutos ao invés de uma linda viagem de cerca de 6 horas…

Plaza Independencia

Escolhemos ficar hospedados em frente à Plaza Independencia, a principal das muitas praças de Mendoza, uma cidade super arborizada. A cidade é toda irrigada por um sistema de canais desenvolvido pelos í­ndios, e que existe, portanto, desde antes da colonização espanhola. É a combinação do clima desértico com essa excelente irrigação que propicia uma produção viní­cola de alta qualidade.

Canais de irrigação na Peatonal Sarmiento

Eu tinha feito uma reserva de um carro no aeroporto de Mendoza, mas lá mesmo desisti da idéia – acho que foi uma boa intuição… 😉 Ao invés disso, contratamos um remis para nos levar às vinícolas, com preço fechado. Pagamos entre Ar$ 200 e Ar$ 250 o dia, dependendo do nosso roteiro. Foi uma decisão acertada, por 2 motivos: não tivemos nenhuma preocupação com os caminhos (a sinalização é falha, e teria sido um stress encontrar as vinícolas sem atraso para as nossas visitas pré-agendadas) e pudemos aproveitar as degustações e os almoços regados a vinho sem pensar no carro…

No primeiro dia, tomamos o rumo de Maipu, e fomos direto almoçar na Familia Zuccardi, onde tí­nhamos reserva para o almoço e a visita à viní­cola. Eu tinha a intenção de ainda visitar o Museo del Vino San Felipe, da Bodega La Rural, que fica na mesma região, mas nos estendemos muito no almoço e no passeio, e não deu tempo…

Entrada da Familia Zuccardi

No segundo dia, seguimos para Luján de Cuyo, onde tí­nhamos reserva para uma visita à Catena Zapata e para o almoço no Cavas Wine Lodge. Vou contar esses passeios todos com mais detalhes nos próximos posts.

A pirâmide da Catena Zapata

Cavas Wine Lodge

Como só ficamos esses dois dias em Mendoza, e no dia seguinte voamos de volta a Buenos Aires, nossa programação acabou sendo bem restrita. Fomos embora já com vontade de voltar, para visitar outras viní­colas, experimentar outros restaurantes… Deixei de conferir uma dica quentí­ssima para jantar no 1884, o restaurante do Francis Mallmann na viní­cola Escorihuela, porque nossos almoços foram tão fartos que era impossí­vel jantar! 😉

É bem agradável também fazer um passeio a pé pela cidade, dar uma olhada no comércio, nas praças, nos bares…

Avenida San Martin

Plaza España

Plaza España

Mas eu confesso: se soubesse que gostaria tanto de Mendoza, acho que teria deixado para matar as saudades de Santiago em outra ocasião, e teria desembarcado do cruzeiro, ido direto para o aeroporto e voado para Mendoza no mesmo dia, apenas para poder dedicar os 4 dias que tínhamos a esse passeio… Mas, tudo bem – como eu sempre digo, nada como ter razões para voltar! 😉

10 thoughts on “Dois dias em Mendoza

  1. Pingback: Cruzeiro à Patagônia, com esticada a Santiago, Mendoza e Buenos Aires: índice da viagem » Idas e Vindas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *