Dia 4, 29/12 – Fátima e Coimbra, a caminho do Porto

O verdadeiro sentido

Logo de manhã, fomos à Hertz da Rua Castilho, em Lisboa, buscar o carro que tínhamos reservado para a nossa viagem ao Porto. Escolhemos ir de carro para poder visitar duas cidades ao longo do caminho: Fátima e Coimbra. Saímos de Lisboa pela A1 e viajamos cerca de 1 hora até chegar a Fátima.

Capelinha das Aparições

Fátima tornou-se um ponto de peregrinação importante para a religião católica devido à aparição de Nossa Senhora às crianças Lúcia, Francisco e Jacinta, em 1917.

A Esplanada em um dia com poucos peregrinos

A Esplanada da Basílica de Fátima é duas vezes maior do que a Praça de São Pedro, no Vaticano. Os dias de maior movimento são 13 de maio e 13 de outubro, quando são comemoradas as aparições da Virgem Maria às 3 crianças pastoras.

Basílica de Nossa Senhora de Fátima

Muitos dos peregrinos que visitam Fátima atravessam a Esplanada de joelhos em agradecimento às graças recebidas.

Outro ângulo da Basílica

Chegamos ao Santuário pouco depois das 11 h, quando estava sendo celebrada uma missa na Basílica, que estava completamente lotada. Ficamos alguns minutos assistindo à cerimônia e, logo após, partimos para Coimbra.

Reitoria da mais antiga universidade de Portugal

Coimbra é hoje uma cidade bastante grande, mas o nosso foco de atenção era a Cidade Alta, a parte histórica onde está situada a Universidade de Coimbra, a mais antiga de Portugal.

Detalhe de azulejaria portuguesa

Nos pátios internos da universidade encontramos vários exemplares da magnífica arte da azulejaria portuguesa.

Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra

Como não poderia deixar de ser, precisei registrar a minha  passagem por uma das Faculdades de Letras mais importantes do mundo… ;-)

A Sé Velha de Coimbra

Continuamos o nosso passeio “nos perdendo” pelas ruas labirínticas da Cidade Alta. Um dos belos pontos que encontramos pelo caminho foi a Sé Velha de Coimbra.

Os labirintos da Cidade Alta

Várias das casas situadas nas ruelas da Cidade Alta abrigam repúblicas de estudantes desde a Idade Média.

Café Sé Velha

Logo tivemos mais uma grata surpresa: o Café Sé Velha, onde entramos para pedir informações e ficamos impressionados não apenas com o charme do seu interior, mas também… com a vitrine de doces! ;-)

Pastel Tentugal – o doce típico de Coimbra

Provamos ali os Pastéis de Tentúgal, um doce típico da cidade de Coimbra, feito com uma massa folhada  finíssima e recheio de ovos (pra variar…)

Limite entre a Cidade Alta e a Cidade Baixa

Continuamos a descer pelo trecho conhecido como “Quebra-costas” até o Arco de Almedina, erguido no século XII pelos árabes.

O Arco de Almedina

O Arco de Almedina marca a entrada da Cidade Antiga. Vários estudantes fazem o seu percurso através deste arco, o menor caminho para se chegar da Cidade Baixa à Universidade.

A Cidade Baixa – do outro lado do Arco

Ao atravessar o Arco, nos deparamos com a Coimbra moderna. Tomamos então o nosso caminho de volta à Cidade Alta para pegar o carro e prosseguir a viagem.

Fizemos uma viagem tranqüila ao longo do dia, mas a nossa chegada ao Porto foi caótica. Estávamos sem GPS, chegamos na hora do rush e a sinalização de entrada na cidade é ineficiente para os turistas – uma vez na parte turística, entretanto, a sinalização é bastante boa.

O Café Majestic

Para amenizar o stress da chegada, fomos nessa mesma noite ao Café Majestic, o mais tradicional da cidade do Porto.

O ambiente aconchegante do Majestic

Inaugurado em 1921, o Café sempre foi palco de debates de idéias políticas e ponto de encontro da aristocracia local.

Francesinha – um dos pratos típicos do Porto

Escolhemos o Majestic para provar uma das iguarias típicas locais – a francesinha, um sanduíche recheado com carne, lingüiça e fiambre, coberto com queijo gratinado e servido com um molho de tomate  levemente picante, acompanhado de batatas fritas. Foi um manjar dos deuses!  (Com certeza, a francesinha do Majestic é a mais cara da cidade – mas valeu cada “cêntimo” de euro… ;-) )

E brindamos a mais um dia da VAM!

Dia 3, 28/12 – Lisboa

Mais um meio de transporte utilizado na VAM…

Tiramos o nosso terceiro dia em Lisboa para percorrer a cidade da melhor forma possível: caminhando. Fizemos uma única exceção, que foi tomar o bonde para subir até o Castelo de São Jorge.

O Castelo de São Jorge

 O bonde nos deixou no miradouro mais próximo do castelo, o Porta do Sol. Dali caminhamos 2 minutos e nos deparamos com a fila para comprar os ingressos, a 7 euros por pessoa.

A Catedral da Sé

Após a visita ao Castelo, descemos caminhando pelo pitoresco bairro da Alfama. Paramos para visitar a Catedral da Sé, e continuamos até a Baixa.

O Arco da Praça do Comércio

Passamos pela Praça do Comércio e cruzamos a Baixa em direção ao Chiado e ao Bairro Alto.

O Largo do Carmo

Chegamos ao Chiado pelo Largo do Carmo, e dali continuamos o passeio rumo ao Bairro Alto.

O Castelo visto do Bairro Alto

 Paramos no Miradouro São Pedro de Alcântara, no Bairro Alto, para apreciar a vista do Castelo ao longe – e nos demos conta de que caminhamos bastante…

Uma das agradáveis ruas do Bairro Alto

Seguimos caminhando pelas ruas agradáveis do Bairro Alto, um tradicional reduto boêmio de Lisboa, e hoje também uma área residencial. Confirmamos a animação local na prática, no dia em que nos encontramos com o Riq e o Nick;-)

O bar do Pavilhão Chinês

Por falar no Riq e no Nick, mais tarde saímos para conferir uma dica que eles tinham nos dado no primeiro dia: o Pavilhão Chinês, um dos bares mais tradicionais do Bairro Alto.

Brinde ao terceiro dia da VAM

Celebramos o terceiro dia da VAM com um Cosmopolitan e um Romanoff… ;-)

Café Nicola, na Praça D.Pedro IV (Rossio)

Seguimos então de volta à Praça D.Pedro IV (o nosso D.Pedro I), porque queríamos provar o bacalhau do Café Nicola, uma indicação da Viagem  & Turismo.

Bacalhau à Nicola – de comer rezando…

Lá provamos o bacalhau mais saboroso de toda a viagem até então  – o Bacalhau à Nicola, preparado com molho bechamel, bacon, camarões e batatas. Acompanhado por um vinho tinto, foi uma boa forma de coroar a nossa estada em Lisboa.

Dia 2, 27/12 – Sintra

Palácio da Pena – ou seja, construído sobre a rocha

Durante o café da manhã, enquanto conversávamos sobre a programação do dia, resolvemos ir a Sintra. Contratamos o passeio da Carris Tour que partia da Praça do Comércio às 2 h da tarde, com visita ao Palácio da Pena, à cidade de Sintra e passagens por Cascais e Estoril.

No Palácio da Pena

Achamos muito interessante a explicação sobre a origem do nome do Palácio da Pena. Pena, nesse caso, é a forma antiga de “penha”, que significa “rocha”, ou seja, o nome do palácio vem do fato de que foi construído sobre a rocha.

Um dos meios de transporte da VAM

Após a  visita ao Palácio, descemos a montanha para fazer um breve passeio à cidade de Sintra – muito charmosa, por sinal. Vale a pena passar um dia inteiro por lá, ou até mesmo pernoitar. É fácil ir de Lisboa a Sintra de trem, partindo da Estação do Rossio, em uma viagem de cerca de 40 minutos. A cidade oferece transporte público em abundância.

Um dos cafés charmosos e badalados de Sintra
Uma das pequenas ruas de Sintra

Fizemos uma parada estratégica em um dos pontos mais famosos da cidade, a Confeitaria A Piriquita, para nos deliciarmos com duas de suas especialidades: as queijadas e os travesseiros.

Queijadas para viagem!
Travesseiros… para um son(h)o perfeito!

Gostamos tanto dos travesseiros d’A Piriquita que nos arrependemos de comer apenas aquele que provamos lá… Passamos o dia seguinte procurando por essa delícia em Lisboa – até encontramos lugares onde são vendidos, mas já tinham acabado… Em um desses lugares, uma vendedora deu a seguinte resposta a Paulinho, quando ele perguntou se tinha travesseiro: “Travesseiro eu tenho lá em casa!” Espirituosa a moça… :lol:

A Baía de Cascais ao anoitecer

Voltamos a Lisboa passando por Cascais e Estoril. Em Cascais, fizemos uma parada para apreciar a paisagem da baía…

Dia 1, 26/12/2010 – Lisboa

Descobrimentos…

Chegamos a Lisboa pela manhã e fomos direto para a Praça do Comércio tomar o bonde no.15, que nos levaria a Belém. Nossa primeira parada em Bélém foi o Padrão dos Descobrimentos, simbolo do descobrimento de novos mundos, o que estamos começando a realizar.

Onde tudo começou, há mais de 500 anos…

Em seguida, fomos visitar a Torre de Belém, ponto de onde partiram as caravelas de Pedro Álvares Cabral – e de lá seguimos para o Mosteiro dos Jerônimos.

Mosteiro dos Jerônimos

Demos uma grande sorte: como era domingo, e chegamos aos monumentos antes das 14h, fizemos as duas visitas de graça! Em outras circunstâncias, o ingresso conjugado para a Torre e o Mosteiro custaria 10 euros, ou 7 euros cada ingresso individual.

Os famosos e tradicionais pastéis de Belém

A visita a Belém não estaria completa sem uma parada para comprar os famosos e deliciosos pastéis de Belém. Compramos uma caixa com seis para levar e saborear mais tarde. Vale a pena, entretanto, visitar os salões internos, que são imensos. (Cada pastel custa 0,90 euro – e vale cada centavo…)

Clube da Esquina, no Bairro Alto

à noite, depois de descansar um pouco da maratona do vôo e do dia, encontramos nossos amigos queridos Riq e Nick, que, por uma feliz coincidência, passaram por Lisboa em sua viagem de retorno ao Brasil e se hospedaram em um hotel exatamente ao lado do nosso. Fizemos, como disse o Riq, uma “incursão barzística” ao Bairro Alto, seguindo as sugestões do João Paulo, também freqüentador do VnV e que, infelizmente, não nos acompanhou…

Brindando à VAM!!! ;-)

Encerramos com fecho de ouro o primeiro dia da VAM – e fomos dormir como anjos…

A volta ao mundo em 77 dias

Nosso roteiro – clique para ver a imagem maior!

Até que nós começamos a planejar a viagem em escala bem modesta. A princípio, pensamos em apenas emendar o recesso de Natal e Ano Novo com 1 mês de férias, o que nos daria entre 35 e 40 dias de viagem. Depois, percebemos que havia a possibilidade de estender as férias,  emendar com licenças e somamos 77 dias. Fiquei morrendo de pena de não chegar aos 80 dias de Jules Verne

O mapinha aí em cima não mostra a nossa viagem completa, apenas o  itinerário do bilhete RTW. Tivemos que incluir as outras paradas por nossa conta, em vôos low cost, já que as regras e restrições do bilhete impediram a inclusão de vários lugares onde gostaríamos de ir.

Aqui vai então o nosso roteiro, com datas, vôos e links para os nossos hotéis.  Viajem com a gente – vai ser super bacana ter companhia!!! :D

DEZEMBRO

25 – Vôo TAP Rio / Lisboa;

26 – Lisboa – Hotel Ibis Liberdade;

27 – Lisboa;

28 – Lisboa;

29 – Ida de carro de Lisboa para o Porto, com paradas ao longo do caminho – Hotel Mercure Porto Centro;

30 – Porto;

31 – Porto;

JANEIRO

01 – Vôo TAP Porto / Milão + Ida de trem para Gênova – Hotel AC Genova;

02 – Gênova;

03 – Gênova; Volta para Milão de trem no fim da tarde – Hotel Carlyle Brera;

04 – Milão; Vôo Lufthansa Milão / Cingapura (conexão em Frankfurt);

05 – Cingapura – Hotel Marina Mandarin;

06 – Cingapura;

07 – Vôo Air Asia Cingapura / Kuala Lumpur – Piccolo Hotel;

08 – Kuala Lumpur;

09 – Vôo Air Asia Kuala Lumpur / Siem Reap – Somadevi Angkor Hotel & Spa;

10 – Siem Reap;

11 – Vôo Jet Star Siem Reap / Cingapura – Changi Village Hotel Peninsula Excelsior Hotel;

12 – Vôo Singapore Cingapura / Bali; Ubud: Hotel Tjampuhan Spa;

13 – Ubud;

14 – Ubud;

15 – Ida para Sanur – Hotel Griya Santrian;

16 – Sanur;

17 – Sanur;

18 – Sanur;

19 – Ida para Nusa Dua – Hotel Meliá Bali;

20 – Nusa Dua;

21 – Nusa Dua;

22 – Vôo Thai Bali / Bangkok – Baiyoke Sky Hotel;

23 – Bangkok;

24 – Bangkok;

25 – Vôo Bangkok Airways Bangkok / Chiang Mai – Ping Nakara Boutique Hotel & Spa;

26 – Chiang Mai;

27 – Vôo Air Asia Chiang Mai / Phuket – Renaissance Phuket Resort & Spa;

28 – Phuket;

29 – Phuket;

30 – Ferry Phuket / Koh Phi Phi – Phi Phi The Beach Resort;

31 – Koh Phi Phi;

FEVEREIRO

01 – Ferry Koh Phi Phi / Phuket – The Nap Patong;

02 – Vôo Bangkok Airways Phuket / Koh Samui – Villa Tanamera;

03 – Koh Samui;

04 – Koh Samui;

05 – Vôo Bangkok Airways Koh Samui / Bangkok – Bangkok Marriott Resort & Spa;

06 – Bangkok;

07 – Vôo Thai Bangkok / Hanoi – Hanoi Old Centre Hotel Hanoi Royal View Hotel;

08 – Vôo Vietnam Airlines Hanoi / Hue – Pilgrimage Village Hotel;

09 – Hue;

10 – Vôo Vietnam Airlines Hue / Hanoi – Hanoi Royal View Hotel Sheraton Hanoi Hotel;

11 – Hanoi;

12 – Hanoi;

13 – Ida para a Baía de Halong – Cruzeiro Indochina Sails;

14 – Baía de Halong;

15 – Vôo Asiana Hanoi / Tóquio (conexão em Seul);

16 – Tóquio – Grand Prince New Takanawa Hotel;

17 – Tóquio;

18 – Tóquio; À noite: vôo ANA Tóquio / Honolulu; aqui cruzamos a linha internacional de data, e ganhamos um dia – chegamos a Honolulu na manhã desse mesmo dia, então vamos viver o dia 18/02 duas vezes… :shock:

18 – Honolulu – Sheraton Princess Kaiulani;

19 – Cruzeiro NCL Pride of America;

20 – Cruzeiro: Maui;

21 – Cruzeiro: Maui;

22 – Cruzeiro: Big Island;

23 – Cruzeiro: Big Island;

24 – Cruzeiro: Kauai;

25 – Cruzeiro: Kauai;

26 – Honolulu – Hilton Hawaiian Village;

27 – Honolulu;

28 – Vôo United Honolulu / San Francisco – ficaremos hospedados na casa de amigos, ou seja, no melhor hotel da viagem…  ;-)

MARÇO

01 – San Francisco;

02 – San Francisco;

03 – Vôo San Francisco / Orlando – Quality Inn & Suites near Florida Mall;

04 – Orlando;

05 – Orlando;

06 – Orlando;

07 – Orlando;

08 – Vôo Continental Orlando / Miami – The Ocean Reef Suites;

09 – Miami;

10 – Miami;

11 – Vôo TAM Miami / Rio de Janeiro – e chegamos em casa… :mrgreen:

Vamos nos divertir muito, mas vamos também sentir saudades das nossas famílias e dos nossos amigos – viajem com a gente, Ok? ;-)

Atualização em 29/04/2011: Ao longo da viagem, achamos por bem trocar as reservas de alguns hotéis – esses aparecem riscados no planejamento inicial, e substituídos pelos links dos hotéis onde efetivamente nos hospedamos.