Dia 17, 11/01 – Cingapura

Saímos de Siem Reap na manhã seguinte em um vôo da Jet Star que nos levaria de volta a Cingapura para mais uma noite antes de prosseguir viagem para Bali. A princípio, tínhamos decidido ficar em um hotel próximo ao aeroporto mesmo, descansando à beira da piscina. Mas, com a novela do atraso do vôo no trecho Frankfurt-Cingapura e a insônia no período de adaptação ao fuso-horário, acabamos não dando conta de ver tudo o que gostaríamos na cidade na primeira estada. Além disso, Cingapura nos conquistou de cara – por isso, antes mesmo de partir para a Malásia e o Camboja, já tínhamos decidido trocar a nossa reserva para outro hotel e passear um pouco mais pela cidade.

Museu de Arte de Cingapura

Chegamos no início da tarde e dessa vez tomamos o shuttle no aeroporto até o nosso hotel, na região de Riverside. Quando chegamos na primeira vez, tomamos um táxi para o hotel – não só porque estávamos cansados do vôo desde Frankfurt, mas também porque, dependendo do horário, o táxi pode sair mais barato para duas pessoas do que o shuttle. Depois de instalados, saímos para comer alguma coisa e fomos passeando a pé até a Orchard Road. Demos uma volta por essa avenida, repleta de shopping centers, e retornamos ao hotel no fim da tarde.

Singapore Flyer

Nosso plano para a noite era conferir a Singapore Flyer – a roda-gigante mais alta do mundo, de onde se pode ver Cingapura inteira. Dizem que, com sorte e tempo bom, é possível avistar até mesmo a Malásia! O ingresso custa SGD 29.50 (cerca de US$23) por pessoa e a volta completa dura meia hora.

Cingapura vista da Singapore Flyer
Mais Cingapura vista da Singapore Flyer

Depois do passeio, fizemos uma pausa no caminho de volta ao hotel para um jantarzinho rápido. Escolhemos o Thai Express próximo ao Esplanade e saboreamos um pad thai bem honesto.

Pausa para um jantar rapidinho
Nosso pad thai no Thai Express

Voltamos então ao hotel para uma boa noite de sono, já que no dia seguinte ainda pretendíamos dar uma volta pela região do Marina Bay Sands antes de seguir viagem rumo a Bali… 😉

Somadevi Angkor Resort & Spa – Siem Reap, Camboja

Entrada do Somadevi Angkor Hotel & Spa (Fonte: http://www.somadeviangkor.com)

A escolha do nosso hotel em Siem Reap foi um processo muito simples. Já tínhamos algumas dicas que diziam que não era uma boa idéia ficar na estrada que leva ao aeroporto, por ser distante de tudo. Como sempre, a nossa intenção era encontrar a melhor relação custo x benefício.

O Somadevi Angkor Hotel & Spa foi uma dica de amigos que já haviam se hospedado lá e gostaram. O hotel é mesmo bem localizado – fica a uma distância caminhável do centro sem estar no meio do movimento – e o valor da diária é bastante atraente. Fizemos a nossa reserva pelo Booking, para pagar no checkout, a US$ 61 o quarto duplo.

Quarto simples, mas confortável
Banheiro pequeno, mas funcional

Os quartos são simples, mas amplos, confortáveis e silenciosos. O banheiro é pequeno, mas também não fez feio… 😉

Vista panorâmica da piscina (Fonte: http://www.somadeviangkor.com)

O ponto alto é sem dúvida a piscina e seu entorno – como se todo o charme tivesse se concentrado nessa área. Felizmente, tivemos a chance de aproveitar bastante no dia da chegada!

A piscina Рsem d̼vida, um dos pontos altos do hotel
O convidativo entorno da piscina
Mesas para uma refeição à beira da piscina
Recantos…
Mais recantos…
Detalhes…
Angkor no pano de fundo do palco
Angkor no pano de fundo do palco

Ficamos satisfeitos também com os serviços que contratamos no hotel – o transfer de ida e volta para o aeroporto saiu a US$ 20 para nós dois, em carro com ar condicionado. O passeio ao Complexo de Angkor também foi feito com motorista e guia indicados pelo hotel, e só temos elogios!

A piscina à noite
A piscina à noite

Por fim, o jantar com show de dança “turistão” da última noite também acabou se revelando um super programa. O Somadevi entra então pra lista de hotéis da VAM na categoria “testados e aprovados”… 😉