Dia 20, 14/01 – Ubud, Bali

Nossos planos para o dia seguinte começavam com uma visita à Floresta dos Macacos, logo após o café da manhã. Íamos caminhando mesmo, porque nada em Ubud é muito longe, e nós gostamos bastante de ir curtindo o caminho sem pressa, observando as pessoas e o ambiente… Mas, quando chegamos à porta do hotel, vimos que o shuttle do hotel estava prestes a sair, então aproveitamos a carona!

A VAM foi de van…

Chegamos ao Santuário da Floresta dos Macacos em poucos minutos.

Santuário da Floresta dos Macacos

Entrada da Floresta dos Macacos

O ingresso custa Rp$ 20.000 (20 Bintangs, na nossa moeda particular, ou seja, pouco mais de US$ 2). Logo à entrada os turistas podem comprar bananas para alimentar os macacos…

Vai uma bananinha aí?!? 😉

Os macacos ficam soltos por toda parte, e são bem abusados… Ouvimos várias histórias de óculos, câmeras e outras miudezas surrupiadas pelos macaquinhos levados – por precaução, guardamos os óculos na bolsa e prendemos as câmeras no pulso ou no pescoço… A recomendação médica é que não se brinque com eles para evitar o risco de levar uma mordida – claro, esse é um acidente extremo, mas não custa lembrar que os animais estão em seu ambiente natural, não são domesticados nem vacinados. Aliás, foi por causa da visita a Bali que tivemos que fazer uma pré-exposição à raiva durante o nosso “furor vacinatório” pré-VAM…

          

Cada macaco no seu galho…

Após a visita à Floresta, decidimos voltar à rua principal (Jalan Raya Ubud) caminhando pela Jalan Monkey Forest, o que nos levaria de volta ao Mercado de Ubud, situado bem no encontro das duas, que são as principais vias de Ubud.

Passeando pela Jalan Monkey Forest

Seguindo pela Jalan Monkey Forest

Continuando na Jalan Monkey Forest

Ainda na Jalan Monkey Forest

Caminhamos sem pressa, vimos muitos templos, esculturas, lojinhas de roupas e artesanato, foi um passeio super relaxante. Quando chegamos de volta ao Mercado, resolvemos fazer uma visita ao Centro de Informações Turísticas, bem ali ao lado, para buscar informações sobre os espetáculos de dança típica – munidos de toda a info, fomos almoçar e tomar a decisão. Nesse dia, resolvemos experimentar um pequeno restaurante que também nos tinha parecido bem simpático no dia anterior – o Coco Bistro, praticamente em frente ao Café Lotus.

Coco Bistro

Coco Bistro

Coco Bistro

Pedimos um drink para cada um e acabamos escolhendo o mesmo prato, como de hábito… 😆 Dessa vez, escolhemos um Nasi Goreng, um prato bastante semelhante ao Mie Goreng que tínhamos provado no dia anterior, mas que é feito com arroz frito no lugar do macarrão – dá água na boca só de lembrar dos satays, esses espetinhos de frango da foto…

Nasi Goreng do Coco Bistro

Pausa para descanso, …

… um drink e almoço! 😉

Depois do almoço, fomos comprar os nossos ingressos para o espetáculo que decidimos assistir – uma apresentação de dança Barong, no Palácio de Ubud, naquela mesma noite. Tomamos então nosso caminho de volta ao hotel para descansar na piscina o resto da tarde – ah, que vidinha mais ou menos… 😉

Piscina do Tjampuhan Hotel & Spa

O nosso hotel estava cheio de turistas neozelandeses e australianos, e conversamos bastante com eles. Uma moça australiana nos deu uma dica quentíssima de um restaurante próximo ao hotel, o Indus, um dos melhores restaurantes de Ubud, que decidimos conferir naquela noite.

Palácio de Ubud

À noite, pegamos o shuttle novamente até o Palácio de Ubud, e chegamos pouco antes da apresentação. Curtimos cada minuto do espetáculo, que foi super bonito. Quando vimos o show de dança típica no Camboja resolvemos conferir novos espetáculos sempre que fosse possível – e a dança Barong balinesa nos ganhou, com sua harmonia e suavidade de movimentos.

Dança Barong

Músicos

Dança Barong

Dança Barong

Ao fim da apresentação, decidimos não esperar pelo shuttle, e voltamos andando mesmo. Na verdade, passamos direto pelo hotel a caminho do Indus, onde íamos jantar.

Indus – um dos melhores restaurantes de Ubud

O restaurante é mesmo impressionante – desde a entrada, toda ornada com esculturas, ao salão principal, com pé direito bem alto.

Entrada do Indus

Chegando ao salão do Indus

Restaurante Indus

Escolhemos uma carne, que estava bem saborosa, para celebrar o nosso último jantar em Ubud – o molhinho picante estava uma delícia.

Jantar no Indus

E logo voltamos para o hotel para fechar a bagagem. Já tínhamos marcado o táxi que, no dia seguinte pela manhã, nos levaria à nossa segunda base balinesa – Sanur.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *