Passeando conforme a música…

No dia seguinte acordamos tarde. Tomamos um café da manhã básico em casa, desfizemos as malas e só saímos praticamente na hora do almoço. Não tínhamos um roteiro fechado a cumprir, apenas um destino onde chegar – e a idéia era ir aproveitando as atrações que surgissem ao longo do caminho, sem pressa. O objetivo era visitar as lojas de instrumentos musicais da Calle Talcahuano – esses enclaves musicais são a Disney do maridão… 😉

Recoleta Mall

Saímos de casa na direção do Cemitério da Recoleta, e logo chegamos ao Recoleta Mall, o novo shopping center que foi aberto no lugar do antigo Village Recoleta. Deixamos pra conferir o shopping depois, porque o dia estava bonito e queríamos aproveitar o sol e o céu azul…

El Mercado – ou, o Carrefour da Vicente López…

Seguimos passeando pela Calle Vicente López. Passamos em frente à filial do Carrefour, estabelecido no prédio histórico de um antigo mercado. Guardamos bem a localização para voltar depois, quando fosse necessário reabastecer o lar.

Pasaje del Correo

Logo adiante chegamos à Pasaje del Correo, uma galeria aberta onde há várias lojinhas e restaurantes, alguns bem conhecidos, como o Nectarine e o Sirop. Acabamos nos decidindo por um almoço rápido no Scuzi antes de continuar o passeio.

Plaza Vicente López

Logo chegamos à Plaza Vicente López, um reduto de muito verde e tranqüilidade em uma área bem residencial da Recoleta. Dobramos na Arenales e seguimos passeando por cerca de 2 quadras até chegar à Talcahuano.

Plaza Vicente López

Nós não sabíamos exatamente em qual altura da Talcahuano se concentravam as lojas de instrumentos, então seguimos caminhando… Passamos pelos fundos do Teatro Colón

Teatro Colón

… e também em frente a este edifício que eu não sei qual é, mas adoro, com o contraste tão marcante entre o antigo e o novo.

Contrastes

Passamos também em frente ao Palacio de los Tribunales, e paramos para admirar a sua arquitetura.

Palacio de los Tribunales

Logo estávamos na altura da Avenida Corrientes, e as lojas de instrumentos começaram a aparecer… Claro, se soubéssemos que ficavam tão distantes não teríamos ido a pé! Por outro lado, também não teríamos curtido tanto o passeio…

Vitrine da Fusion Musical

Guitarras e mais guitarras…

Para aqueles que possam se interessar pelo assunto, ficam as dicas do meu “consultor particular”: as lojas de instrumentos musicais em Buenos Aires estão concentradas na Calle Talcahuano, a partir da Avenida Corrientes, seguindo em direção à Avenida de Mayo, em uma região que faz lembrar a Rua Teodoro Sampaio, em São Paulo, pela quantidade e variedade de lojas. Fundamentalmente, os preços dos instrumentos importados (no final de abril de 2012) estavam mais em conta do que no Brasil (comparando-se principalmente à oferta da Rua da Carioca, no Rio de Janeiro), com a diferença podendo chegar a 30 ou 40%, além de descontos extras oferecidos para pagamentos em dinheiro. Para os que já estão habituados ao mercado de importados em geral, é desnecessário dizer que os preços não se comparam aos encontrados nos EUA, muito mais atraentes… A variedade também, embora não se compare à encontrada nos EUA, é bastante grande, com boa oferta de equipamentos de marcas famosas (como Fender e Gibson) e a possibilidade de se encontrar marcas que normalmente não vemos no Brasil, como a Hagström, de origem sueca.

Um tal Elvis e sua Hagström…

Cabe lembrar que a cota permitida para compras no exterior sem o pagamento de impostos se limita a US$ 500, de modo que, sobre tudo o que ultrapassar esse valor incidirá o imposto de importação de 50% na volta ao Brasil – ou seja, cada um deve fazer suas contas e ver se as compras valem ou não a pena… 😉

Deixamos as dicas de algumas lojas, como Gold Top, Rock Center, California Music e Daiam Música, que valem a visita mesmo que descompromissada. Há boas lojas também nas ruas transversais, como a Fusión Musical, na Sarmiento.

Variedade de ofertas…

Ao fim da tarde e do passeio, estávamos a duas quadras da Plaza del Congreso. Caminhamos até lá, demos uma espiada no Congreso e na réplica do Pensador de Rodin na Plaza Lorea, e lá mesmo tomamos o metrô de volta para casa. Tivemos que fazer uma baldeação da linha A para a linha D e ainda andamos um bom pedaço até chegar em casa, mas ao menos evitamos o trânsito na hora do rush… 😉

6 thoughts on “Passeando conforme a música…

  1. Pingback: Nem táxi nem metrô: andando de ônibus em Buenos Aires | Idas e Vindas - Viagens e Aventuras

  2. Pingback: Uma visita frustrada ao Rosedal | Idas e Vindas - Viagens e Aventuras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *