Dia 31, 25/01 (manhã) – Chiang Mai

 

Saímos bem cedo pela manhã em direção ao Aeroporto de Suvarnabhumi. No dia anterior tínhamos refeito toda a nossa bagagem, de modo a levar apenas o estritamente necessário para os 10 dias que passaríamos fora de Bangkok. Suvarnabhumi, assim como Changi, em Cingapura, é um aeroporto que oferece um serviço de depósito – pode-se deixar a bagagem armazenada pagando uma quantia diária que varia de acordo com o peso da mala. No nosso caso, pagamos 1200 bahts por uma mala grande, que devia pesar uns 30 Kg.

  Seguimos então para o check-in da Bangkok Airways. Não tinha sido possível encaixar os vôos domésticos da Tailândia nas regras do bilhete RTW – assim, fizemos nossos deslocamentos internos em companhias locais, como a própria Bangkok Airways e a Air Asia. Foi uma grata surpresa – morro de saudades da Bangkok Airways, com seus lindos aviões decorados, serviço atenciosíssimo e precinhos imbatíveis…

Obra de arte voadora…

Chiang Mai está situada nas montanhas ao norte da Tailândia, a 700 km de Bangkok, ou pouco mais de 1 hora de vôo. É a segunda maior cidade tailandesa, mas nem por isso é uma cidade grande… Com cerca de 200 mil habitantes, aquele burburinho tão típico de Bangkok passa longe dali – pelo contrário, o ritmo da cidade é calmo, e a atmosfera bem tranqüila. Sendo a capital da província de Chiang Mai, a cidade atrai muitos jovens, que chegam para cursar uma das várias universidades e/ou para buscar melhores oportunidades de emprego.

Fonte: http://thedailyexplorer.wordpress.com/2008/04/14/thai-ing-the-knot/

Aterrisamos por volta das 09:15 h da manhã e, como de hábito, já tínhamos contratado com antecedência o transfer do próprio hotel. Dessa vez eu tinha criado uma certa expectativa, já que o Hotel Ping Nakara, escolhido a dedo para a celebração de 1 mês da VAM, usa uma Mercedes vintage do ano em que eu nasci… 😉 Mas que decepção – a Mercedes “velhinha” deu defeito e teve que ser substituída por um carro comum…

Hotel Ping Nakara

Nossos planos para os dois dias de estada em Chiang Mai eram modestos: queríamos conhecer alguns dos templos mais importantes (a tarefa mais árdua seria eleger quais, em uma cidade com uma oferta tão ampla!), experimentar uma típica massagem tailandesa, explorar o mercado noturno e, talvez, visitar a comunidade Karen (das conhecidas mulheres-girafa).

Check-in na biblioteca…

Enquanto fazíamos o nosso check-in, confortavelmente instalados no sofá da biblioteca, saboreando um delicioso chazinho de boas-vindas, o rapaz que tinha ido nos buscar no aeroporto nos informou sobre os passeios oferecidos pelo próprio hotel, em que ele próprio seria o guia. (Infelizmente não anotei o nome dele, que mancada…) Como tínhamos simpatizado com ele, um rapaz inteligente e bem articulado em inglês, e ainda teríamos que esperar um pouco até que o nosso quarto estivesse arrumado, nem pensamos duas vezes antes de contratar a visita ao Wat Phrathat Doi Suthep, com partida quase imediata.

Fonte: http://www.chiangmai-chiangrai.com/wat-phra-thart-doi-suthep.html

O Wat Phrathat Doi Suthep fica no topo da montanha Doi Suthep, a uns 15 km do centro de Chiang Mai. Dá pra chegar até um determinado ponto de carro, mas dali até o templo propriamente dito é preciso subir uma escadaria ou tomar um elevador, tipo um funicular, que custa bem baratinho, apenas uns 30 bahts (e é gratuito para os tailandeses).

Wat Phrathat Doi Suthep

Wat Phrathat Doi Suthep

Wat Phrathat Doi Suthep

O Doi Suthep é um dos templos mais representativos de Chiang Mai, e foi muito bacana ter um guia ali para nos explicar a história e a simbologia do lugar. Claro que é sempre uma boa idéia consultar guias e aprender de antemão sobre a história e a cultura locais – mas isso não invalida a conveniência de ter alguém que satisfaça a nossa curiosidade com respostas a perguntas que muitas vezes não constam dos guias impressos…

Wat Phrathat Doi Suthep

Wat Phrathat Doi Suthep

Foi com o nosso guia, por exemplo, que aprendemos que há posturas de Buda para cada dia da semana – e, às vezes, mais de uma postura para o mesmo dia. Acredita-se que determinados eventos da vida de Buda se deram em dias da semana específicos e essa tradição leva as pessoas a preferir ter em casa uma imagem de Buda do dia do seu nascimento.

Posturas de Buda dos dias da semana

Paulinho e um dos Budas de 2a.feira

Eu e o Buda de 4a.feira de manhã

Preces no Doi Suthep

O Doi Suthep tornou-se muito importante também por já ter abrigado o Buda de Esmeralda que hoje está no Wat Phra Kaew de Bangkok. Quando o Buda original foi transferido, uma réplica tomou o seu lugar para manter viva a memória desse episódio.

Uma réplica do Buda de Esmeralda

Wat Phrathat Doi Suthep

Carla e Paulinho no Wat Phrathat Doi Suthep

Outra curiosidade que ouvimos do nosso guia foi que tocar nos sinos enfileirados no pátio externo traz boa sorte…

Wat Phrathat Doi Suthep

Wat Phrathat Doi Suthep

… e Paulinho foi, lógico, conferir… 😉

Paulinho conferindo os sinos da sorte!

De resto, ainda aproveitamos bem o nosso tempo apenas admirando a beleza do lugar… Fiz tantas fotos, algumas melhores, outras piores, mas todas tão ricas de memória afetiva, que é quase um pecado ter que deixar a maior parte fora do post – e selecionar as prioritárias é uma tarefa dificílima…

     

     

     

Nós temos plena consciência de que, ao longo da VAM, gastamos muito mais do que seria necessário em uma viagem pela Ásia ao decidir contratar esses tours particulares. Mas certos detalhes às vezes nos mostram que há situações que realmente não têm preço… Enquanto descíamos as escadarias do Doi Suthep, o nosso super guia nos fez praticar à exaustão os nossos sawasdee ka (bom dia, boa tarde e boa noite, usado por mulheres) e sawasdee krup (idem, usado por homens), assim como os nossos kop kun ka e kop kun krup (obrigada e obrigado, respectivamente) até chegar bem próximo da perfeição, o que foi muito útil ao longo do resto dos dias que passamos na Tailândia… 😉

Leia mais sobre Chiang Mai:

Arquivo de Viagens;

Dividindo a Bagagem;

Quatro Cantos do Mundo;

8 thoughts on “Dia 31, 25/01 (manhã) – Chiang Mai

  1. Wat Prathat Doi Suthep é um muito bonito e mágico. Naturalamente, faz um grande dia para fazer uma visita cultural. Vocês são Budas muito amigávels, divertidos e descontraídos. Eu observo que vocês têm descansado. Bravo!

  2. Pingback: Dia 32, 26/01 – Chiang Mai | Idas e Vindas – Viagens e Aventuras

  3. Pingback: Dia 40, 03/02 – Koh Samui | Idas e Vindas – Viagens e Aventuras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *