Roteiro Canadá: nove dias na Costa Leste

Como eu contei no primeiro post dessa série sobre o Canadá, no próximo mês de abril vou passar uns dias entre Toronto e Québec, revisitando a Costa Leste canadense, depois de mais de 12 anos…

Vou em companhia de uma amiga, a Vanessa, que acabou de se doutorar em Literatura Comparada, e está se dando a viagem de presente como parte das comemorações. Os maridos dessa vez ficam por aqui – e vão ser um ótimo motivo para testarmos os Skypes, Vibers, Whatsapps e todos os outros apps de comunicação imagináveis… 😉

Conseguimos emitir nossas passagens com milhas TAM e United. Para garantir que faríamos os mesmos vôos na ida e na volta, ela emitiu os dois vôos de ida com suas milhas TAM e eu emiti os dois vôos de volta com minhas milhas United. E demos a sorte de conseguir bons vôos! Na ida vamos voar TAM do Rio a São Paulo e Air Canada direto de São Paulo a Toronto. Na volta, voamos Air Canada de Québec a Toronto e depois de Toronto a São Paulo, e TAM para voltar ao Rio.

O roteiro está um pouco corrido, mas acho que ficou bem redondinho:

1o. dia – Chegamos a Toronto de manhã cedinho. Estamos pensando em ir direto aproveitar o dia na região de Niagara, já que o check-in do hotel é só no meio da tarde;

2o, 3o. e 4o. dias – Toronto;

5o. dia – Vamos pegar um carro de manhã e seguir para Ottawa; se o tempo estiver bom, queremos dar uma parada na região das Thousand Islands;

6o. e 7o. dias – Seguimos para Montréal e devolvemos o carro lá;

8o. e 9o. dias – Québec.

Consegui tarifas muito boas para o aluguel de carros no site da Hertz – cerca de US$ 80 por um full size, já com as taxas (mas sem seguros, porque vamos usar o do cartão de crédito). Assim, acabamos optando por fazer os deslocamentos por nossa conta, sem muita preocupação com horários e podendo interromper a viagem sempre que uma paisagem bonita valer a foto… 😉

Em relação à hospedagem, tudo já virou do avesso (no melhor sentido possível!) desde que começamos a pensar na viagem. A princípio, eu tinha feito umas reservas daquelas totalmente canceláveis, sem custos, no Booking, antes mesmo de emitir as passagens. Quando conseguimos os vôos, comecei a repensar as reservas feitas.

Fairmont Le Château Frontenac

Fairmont Le Château Frontenac

Uma dessas reservas era, de certo modo, intocável… Eu tinha conseguido o Fairmont Le Château Frontenac, aquele castelinho que é “o” cartão postal de Québec, a US$164 sem pré-pagamento. Como eu sou absolutamente maluca por esses hotéis antigões, com cara de épocas passadas, eu não queria perder a oportunidade de me hospedar nele… (Ainda bem que a Vanessa é good sport, e topa as minhas idéias! 😉 )

Mais ou menos na época em que emitimos os bilhetes, eu reli um post no VnV em que o Riq dava uma chamada para um post da Maria Célia, do Enquanto Não Sou Rica. Nesse post ela ensina, com uma precisão de detalhes inacreditável, todas as dicas e macetes para se usar o Priceline. O Priceline é um site que sempre aguçou a minha curiosidade, pelo fato de permitir que o cliente dê um lance, como em um leilão, dizendo o quanto quer / pode pagar por um quarto em determinada categoria de hotel, e em determinada área da cidade, mas sem saber exatamente que hotel é esse. Pois bem: estudei o post da Maria Célia como se fosse fazer um vestibular, e ataquei o Priceline… :mrgreen:

A princípio, não tive sucesso. Estava experimentando Toronto, onde tínhamos uma reserva em um Ramada que não estava nos convencendo muito… Mas Toronto vai sediar um congresso na época, e parece que os hotéis estão bem concorridos. Deixamos o assunto de lado então.

Uns dias depois eu voltei ao caso, quando comecei a ler as resenhas do Trip Advisor sobre os hotéis que tinha reservado, para decidir se era melhor ficar com eles mesmos ou trocar para outros. O B&B de Montréal, que parecia bem bonitinho no Booking, tinha resenhas apavorantes, falando de carpetes imundos, aquecimento defeituoso e por aí afora. Foi a minha deixa para voltar ao Priceline… 😆 Comecei dando lances bem baixinhos, tipo US$ 80 por um hotel da melhor categoria. Algumas (poucas) tentativas depois, tive a felicidade de conseguir o Montréal Marriott Château Champlain a US$ 95 a diária!!! 😀

Montréal Marriott Château Champlain

Montréal Marriott Château Champlain

Imediatamente me lembrei dos posts da querida amiga Mari Campos sobre turismo HiLo, e corri lá no Pelo Mundo para contar a ela o que tinha conseguido… 😉

O próximo passo foi Ottawa. Tínhamos uma reserva em um hotel 3 estrelas, que parecia bem bonzinho, mas caro no custo x benefício – US$112. Ataquei o Priceline de novo, com o cuidado de não dar lances acima do valor que iríamos pagar, e conseguimos o Marriott Ottawa a US$110…

Marriott Ottawa

Depois de tantos sucessos conseguindo hotéis legais por precinhos “mão-fechada”, a gente não queria mais ficar no Ramada de Toronto mesmo… Saí então em uma jornada, vasculhando todos os sites imagináveis até encontrar uma tarifa bem legal em um hotel que nos agradasse mais. No Priceline não tivemos mesmo chance – mas conseguimos uma tarifa bem amigável no Decolar para o Fairmont Royal York, US$ 151… Eu já tinha um xodó por esse hotel desde que estive em Toronto da outra vez!

Fairmont Royal York

E assim, botando a mão na massa e cuidando dos preparativos, a viagem vai tomando forma… Em menos de 1 mês estaremos lá!!! 😉

6 thoughts on “Roteiro Canadá: nove dias na Costa Leste

  1. Oi Carla, adorei seu post, seu blog e amei saber que o post sobre o Priceline foi útil para você! Você conseguiu excelentes hotéis, misturando diferentes estratégias, o que eu considero a melhor forma de se programar uma viagem. Eu morro de vontade de voltar ao Canadá e o seus preparativos estão me inspirando demais! Quem sabe no próximo ano eu finalmente tiro o projeto do papel, né? Enquanto isso vou viajando através dos seus relatos! Beijos e parabéns pelo blog, é maravilhoso!

    • Maria Célia, muito obrigada a você pela super aula – e pela visita!

      Eu fui ao Canadá há tanto tempo que estou ansiosa como se fosse a primeira vez… É um país apaixonante, né? Vou procurar não demorar muito com os relatos no I&V!

  2. Oi Carla, também tentei uma vez o priceline, após vencer o medo dessa aposta meio no escuro. Infelizmente não deu certo nas primeiras tentativas e acabamos desistindo. Pelo seu post posso deduzir que vc conseguiu esse hotéis com mais ou menos 1 mês de antecedência? Pergunto pq seu relato me animou a tentar numa próxima vez.

    Com certeza vou acompanhar tudinho sobre sua viagem, adoro seu jeito de escrever. Beijos

    • Foi isso mesmo, Jussara. Eu já tinha tentado antes, tanto para Ottawa quanto para Montréal, e não tinha conseguido. Imagino que, enquanto há muita antecedência, os hotéis não disponibilizem quartos para serem “leiloados” no Priceline, porque ainda devem ter esperança de ocupá-los a um preço mais alto… Vale a pena tentar de novo, sim! 😉

  3. Oi!

    Adorei o post.

    Estou querendo ir em agosto e gostei dessa dica do priceline! Vc pode me explicar melhor como funciona? Não conheço!

    Vocês ficaram 9 dias no total?

    Quantas milhas voce utilizou na Tam para emitir a passagem? Pode me informar?

    Obrigada

    Bjos

    • Jéssica, nós emitimos as passagens de ida pelo Fidelidade TAM com 20 mil milhas cada e as de volta pelo Mileage Plus da United com 30 mil milhas cada. Voamos TAM e Air Canada tanto na ida quanto na volta.

      Nós ficamos apenas 9 dias, porque era o tempo de que dispúnhamos no total – mas, se você puder ficar um pouco mais, não será exagero. Uns 4 ou 5 dias em Toronto, separando 1 para ir a Niagara, 1 ou 2 dias para Ottawa, uns 3 para Montréal e 2 para Québec me parecem de bom tamanho.

      Sobre o Priceline, eu também nunca tinha usado e achei a experiência muito positiva. O link para o post da Maria Célia, que ensina o procedimento todo em detalhes, está no post, mas repito aqui para você: http://enquantonaosourica.com/2012/08/07/priceline-passo-a-passo/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *