Dicas do Peru – Balanço geral: Transportes

Antes de colocar o ponto final na série sobre o Peru, cabe fazer aquele “resumão” que já se tornou tradicional por aqui… Este, entretanto, vai ao ar com um disclaimer: como faz muito tempo que eu terminei a viagem, boa parte do que eu aprendi ao longo do período de pesquisa e da própria realização da viagem pode não ser mais válido. Cheguei a me questionar se valeria a pena organizar essas dicas que não sei mais se funcionam, mas achei que  elas poderiam ter um propósito pedagógico. Explico: quando eu planejei essa viagem, fiz todos os planos a partir de algumas dicas de pessoas que já tinham ido e muita, mas muita mesmo, pesquisa na Internet. Então, se as minhas dicas não derem o caminho das pedras todo certinho, por conta de mudanças nas regras do jogo, acredito que vão ensinar como cada um pode se virar pra descobrir o novo caminho, Ok? 😉

Vamos começar, então, como já é de praxe, pelos transportes:

1. Passagem aérea

Quando eu viajei, em julho de 2007, a TACA ainda não voava para o Rio, apenas para São Paulo.  Sendo assim,  comprei o vôo internacional com partida de São Paulo, e uma passagem da Gol do Galeão a Guarulhos. Na época, valeu a pena porque eu pude montar os vôos internacionais quase exatamente como queria (São Paulo / La Paz // Cuzco / Lima / São Paulo), por um preço que me pareceu muito justo, US$ 589 mais taxas. Só precisei comprar por fora a passagem Juliaca / Cuzco, porque a TACA não faz esse trecho, mas consegui um bom preço na Lan Peru, comprando via Enjoy Peru, US$ 95.  Hoje em dia a TACA já voa para o Rio, o que mudaria um pouco os planos – para melhor, claro! 😉

2. Trens

O nosso roteiro comportava duas viagens de trem bastante interessantes: o trecho Puno-Cuzco,  feito no Andean Explorer, que pertence à Peru Rail, e o trecho Cuzco-Águas Calientes, feito no Backpacker, no Vistadome ou no Hiram Bingham, da mesma Peru Rail (que, por sua vez, pertence à Orient Express).

O trecho Puno-Cuzco tem duração de 10 horas, e na época custava US$ 130. Entretanto, ele só é feito dia sim, dia não, porque o trem faz um eterno bate-e-volta entre Puno e Cuzco, indo num dia e voltando no outro. Quem quiser fazer a viagem de trem precisa se programar com bastante cuidado. No nosso caso, não vingou – tínhamos 4 dias em Cuzco e teríamos usar um deles para ficar em Puno (onde já não tínhamos o que fazer…) esperando o trem, e outro na viagem em si. Ou seja, o Andean Explorer ficou pra próxima…

Fizemos a viagem de Cuzco a Águas Calientes no Vistadome, reservando pelo site da Peru Rail e comprando os bilhetes no escritório da companhia em Cuzco. O sistema, entretanto, já não funcionava mais assim há algum tempo, mesmo antes da interrupção do serviço devido às enchentes no início deste ano, que destruíram uma parte da ferrovia.  O site da Peru Rail informa que há previsão de que os trechos sejam todos restabelecidos nos próximos meses, quando então o sistema voltará a vender as passagens.

Achei o Vistadome uma boa escolha para a ida – o trem tem janelões enormes que permitem que se aprecie  a paisagem ao longo do caminho. Mas na volta já estava tão cansada que não me fez diferença alguma ter ou não uma paisagem para apreciar. Não sei se o nível de conforto difere tanto assim de um trem para o outro a ponto de justificar pagar pelo Vistadome apenas para cochilar em uma poltrona mais macia – ou se valeria ir no Vistadome e voltar no Backpacker… 😉

vistadome1 vistadome2

3. Transporte público urbano

Não usei, em nenhuma das cidades peruanas que visitei. O motivo? Com o táxi tão barato, simplesmente não houve necessidade… Mas isso nos leva ao próximo ponto…

4. Táxis

São abundantes, e extremamente baratos – sim, muuuuuito mais baratos do que em Buenos Aires…  😀 Têm, entretanto, uma característica que costuma desagradar aos brasileiros em geral, ao menos em um primeiro momento: o preço das corridas é negociado a cada vez, não há taxímetro. Isso significa que o preço é cobrado de acordo com cada cliente, e que os turistas vão, sim, pagar mais do que os locais… Mas, com algumas dicas, um pouco de jogo de cintura e muito senso de humor, dá pra se sair bem no jogo da pechincha. Eu fiquei craque, e ensino tudinho aqui.

5. Estradas e ônibus

Não cheguei a experimentar viajar de ônibus. Mas a Camila, do Viaggiando, fez isso, e não foi uma experiência muito boa… Ela conta tudo aqui. Vale a visita!

3 thoughts on “Dicas do Peru – Balanço geral: Transportes

  1. Pingback: Bolívia e Peru – o índice da viagem » Idas e Vindas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *